Vice-presidente da Câmara diz ter vontade de agredir Joaquim Barbosa

O petista e vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas, insinuou na tarde de segunda-feira, 3, em uma mensagem de celular enviada a um interlocutor desconhecido durante a cerimônia de abertura do ano legislativo, que gostaria de dar “uma cotovelada” no presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, sentado ao seu lado durante a solenidade.

Na troca de mensagens, o interlocutor indaga: “Ele puxou conversa com você?”. Vargas diz: “Não”. A pessoa lhe responde: “E aí? Não vai quebrar o gelo não? Nem um Olá? Pergunta pra ele se vai assinar a prisão do j. paulo?”, em referência ao deputado condenado no julgamento do mensalão, João Paulo Cunha (PT-SP), que ainda aguarda ordem de prisão. Vargas responde: “Da uma cutovelada (sic)”. Procurado mais tarde pelo jornal Estado de S. Paulo, Vargas disse que não comentaria as mensagens, mas reconheceu sua existência.

As mensagens não foram a única provocação de Vargas contra o presidente do Supremo durante a cerimônia. O deputado também fez questão de erguer o braço com o punho fechado várias vezes, repetindo o gesto feito pelo ex-ministro José Dirceu e pelo ex-deputado Jose Genoino (PT-SP) quando foram presos no julgamento do mensalão, em novembro.

Mais tarde, Vargas afirmou que fez o gesto para mostrar apoio aos mensaleiros, uma vez que considera injusto o desfecho do julgamento. O deputado disse ainda que Barbosa age com “sadismo” e de “forma perversa” com João Paulo Cunha, cuja ordem de prisão ainda não foi expedida, embora a execução da pena já tenha sido determinada.

Barbosa deve decretou nesta terça-feira, 4, a prisão do deputado federal João Paulo Cunha (PT-SP). Segundo informações do Estado de S. Paulo, o mandado de prisão só não foi assinado na segunda, 3, porque Barbosa participou da solenidade de abertura dos trabalhos legislativos e preferiu adiar a decisão para evitar constrangimentos.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Deixe um comentário