Veja os desejos de consumo das mulheres da nova classe média

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

A pesquisa “As poderosas da nova classe média brasileira” indicou as tendências das consumidoras da classe emergente no país. Detalhes da pesquisa mostram como elas agem em relação ao carro, alimentação, moda, casa e decoração, saúde, finanças, tecnologia, beleza, turismo e educação. O estudo mostrou que, por exemplo, as mulheres da classe C movimentaram 19,7 bilhões de reais em produtos de beleza no ano passado. O valor representa um aumento de 228% em relação a 2002.

Leia também: Os mitos e verdades da nova classe média brasileira
Leia também: Um terço dos turistas brasileiros é da classe C

Uma mudança na classificação da etnia também foi explicitada pela pesquisa. Até alguns anos atrás, uma parte significativa dos negros e pardos da classe C se declaravam branco — já na nova classe média essa perspectiva mudou. Atualmente, negros e pardos representam 48% da classe C, em 2003 essa porcentagem era de apenas 40%. Ou seja, cerca de 18 milhões de pessoas que se declararam brancas há 7 anos se declararam negras ou pardas em 2010.

As mulheres da nova classe C estão optando por ter filhos mais tarde e se informando mais, além de terem três anos a mais de estudo do que suas mães e conquistarem melhores empregos. O foco na formação e consolidação da carreia rendeu um aumento de 78%, entre 2002 e 2010, na verba das mulheres da classe emergentes. Os homens, no mesmo período, tiveram aumento de renda de 40%.

Os desejos de consumo das mulheres da nova classe média também mudaram. Em 2002, os itens mais desejados eram os básicos, como: computador, celular pré-pago, produtos para cabelo, prótese dentária e carros usados. Hoje elas querem, por exemplo, viagens de avião, eletrodomésticos modernos, produtos de beleza, perfumes importados, notebook e escolas particulares para os filhos.

O estudo mostra ainda que, além de confirmar as escolhas já feitas em relação a marcas em áreas como alimentação, lojas de roupas e operadoras de celular, as mulheres da classe C também valorizam outras marcas que antes não tinham tanto acesso — que não as mais baratas — em segmentos como roupas, sapatos, eletroeletrônicos, automóveis, móveis e decoração, bancos, TV a cabo e plano de saúde.

Veja abaixo alguns dados da pesquisa:

Alimentação

– 66% buscam refeições saudáveis e balanceadas

– Só 37% valorizam produtos diet e light, contra 66% na classe A.

– 6,4 milhões compram algum tipo de congelado todo mês

Finanças

– 72% se dizem cuidadosas com dinheiro

– 71% planejam antes o que vão comprar

Moda

– 16 pares de sapato é a média entre elas (na classe D, o número é inferior a 5 pares)

– 60% das mulheres com carteira assinada compram roupas especiais para trabalhar

Beleza

– 70% acreditam que cuidar da beleza aumenta as chances de sucesso na vida

– 39% querem emagrecer

– 14% delas possuem plano odontológico – e o mais novo desejo é corrigir dentes tortos e fazer clareamento

Casa e decoração

– 31% querem comprar casa nos próximos 2 anos

– 62% têm interesse em decoração

– 40% querem reformar a casa (na elite, só 36%)

– 80% tem prazer de receber pessoas em casa (a decoração é símbolo de status)

– 59% consideram cozinha a parte mais importante do lar – e querem uma cozinha planejada

Carro

– 4% compram carro financiado (índice maior que o dos homens e de mulheres da elite)

– 64,8% escolhem carro pela potência do motor

– 62% valorizam o design na hora da compra

– 31% querem comprar ou trocar de carro nos próximos 12 meses

Tecnologia

– 46% vão comprar um notebook nos próximos 12 meses

– 50,8% vão trocar de celular nos próximos 12 meses

Saúde

– 61% fazem consultas e exames preventivos (índice igual ao das mulheres A/B)

– 72% afirmam cuidar da saúde de toda a família (na elite, o número é 63%)

– 56% compram os remédios da família

Educação

– 38% querem fazer curso de inglês

– 36% querem fazer faculdade

– 58% dos universitários de classe C são mulheres.

– 26 anos é a média de idade das universitárias de classe C (era 27 há cinco anos)

Turismo

– 62% viajaram no último ano (contra 54% dos homens)

– 72% vão viajar nos próximos 12 meses

– 42% das que vão viajar o farão de avião

– 20% querem viajar para o exterior

– Em 25% das viagens, se hospedam em hotel

Deixe um comentário