Mundo  

Uruguai se torna o primeiro país do mundo a ter mercado legal de maconha

.

timtQuase cinco meses após ser aprovada pelo Parlamento do Uruguai, a lei que regulamenta a comercialização da maconha será assinada na tarde desta segunda-feira, 05, pelo presidente José Mujica, tornando o Uruguai no primeiro país do mundo onde o Estado controla o plantio, a distribuição e a venda da erva. “Queremos dar um golpe no narcotráfico, tirando dele parte do mercado”, explicou Mujica.

Apesar da aprovação da lei, consumidores terão de esperar até o fim do ano para comprar a droga nas farmácias. Por questões burocráticas, os cigarros da maconha nacional só começarão a ser vendidos no começo de dezembro. Um mês antes, em outubro (após as eleições gerais naquele país), o Uruguai pretende começar a vender cigarros de maconha fabricados a partir de sementes importadas do Canadá.

Segundo o anúncio oficial, cada grama da maconha uruguaia será comercializada por cerca de R$ 2 (entre 20 e 22 pesos uruguaios). Para comprar a erva os uruguaios precisam ser maiores de 18 anos, cidadãos e naturais do país ou residentes permanentes com registro em uma das categorias listadas pelo Instituto de Regulação e Controle da Cannabis (Irca), consumidores, cultivadores autônomos (até seis plantas e produção de 480 gramas por ano) ou sócios de um clube canábico.

Os consumidores poderão adquirir até 10 gramas por semana nas farmácias. O governo cultivará cinco variedades diferentes. Porém, clubes e cultivadores autônomos poderão plantar as variedades que quiserem. O Irca será presidido, inicialmente, por Julio Calzada, atual secretário da Junta Nacional de Drogas.

Os usuários terão a identidade protegida por lei. “Fizemos estudos entre consumidores para decidir como distribuir a droga sem estigmatizar. Todos os dados pessoais são protegidos como dados sensíveis pela lei”, afirmou o secretário da presidência, Diego Cánepa.

Segundo o Ministério de Saúde uruguaio, apenas farmácias comunitárias ou de primeira linha, poderão vender maconha. Cultivadores autônomos poderão cultivá-la no quintal, mas deverão apresentar constância de domicílio e documentos que provem que são proprietários ou inquilinos do imóvel. Segundo Cánepa, “quem não for parte da cadeia de distribuição, não estiver legalmente cadastrado no Irca ou tiver mais de 40 gramas de maconha será penalizado pela lei”.

 

 

 

Deixe um comentário