Tudo é uma questão de interpretação!

Por Claudio Schamis – opinaoenoticia.com.br

Nessa guerra de quem interpreta certo isso ou aquilo, perdem todos. Aliás, como tudo na vida. Uma frase mal interpretada, um gesto mal interpretado pode mudar por completo a vida das pessoas. Calma, que eu explico. Ou, pelo menos, tento explicar.

dilma210-300x168Nesse meu humilde espaço não se previu o direito de resposta. Não que eu diferentemente de alguns não esteja pronto para receber críticas. Muito pelo contrário. Eu as recebo de braços abertos, escuto e penso. Até porque nunca foi minha pretensão querer que todos concordem comigo e com a minha interpretação dos fatos, que aí estão. Até gosto que não concordem, pois isso, por um lado, pode gerar um debate saudável e que no final das contas todos acabam ganhando alguma coisa. Até mesmo em conseguir enxergar outros pontos de vista. Não basta chamar a pessoa, apontar e acusar você de não saber interpretar. Até porque se fosse para ser o rei da interpretação estaria no horário nobre da Rede Globo.

Dilma já programa sua próxima inauguração. Daqui a pouco ela vira Dilma, mãos de tesoura!

Isto posto, fiquei intrigado com a seguinte frase de Lula (que ele disse no contexto da conduta deles, petistas, com seus aliados, mas ela dita em outro contexto): “Na minha máquina de calcular tirei as teclas de diminuir e de dividir. Só uso a de multiplicar e a de somar.” Eu pergunto como você interpretaria ela? Aposto um Bolsa Família como que a parte de lá vai interpretar que Lula quis dizer que em seu governo e no de Dilma também – que acabam sendo a mesma coisa, se é que você me entendeu ( e nem adianta que não vou desenhar, pois sou péssimo em desenho e aí é que você não ia entender mesmo, por isso não gosto muito de Imagem e Ação) – as ações que eles fazem são simplesmente para somar mais à vida das pessoas, para multiplicar seus prazeres e as coisas boas que o governo faz pensando somente neles. Vale dizer que não sou do tipo que só condena o governo PT. Apesar de não parecer, reconheço algumas coisas boas e tiro o chapéu para elas. Vale dizer também que diferentemente do que a (mesma) parte de lá acha que eu estou aqui nesse espaço somente e exclusivamente para falar mal do PT, do Lula, da Dilma e do povo ligado a eles, que isso é uma inverdade. Vamos lá, se o governo fosse do PSDB, PTB, PSB, PP e eles tivessem fazendo “malfeitos” eu também estaria aqui assumindo a minha posição de crítico. Quero deixar claro:  não é uma exclusividade do PT. Mas o que eu posso fazer se nesses dez anos de governo deles, eles vem aprontando? Posso ser burro, mas não sou cego. E acho que burro também não sou.

Agora que expus o que o lado de lá interpretaria, eu interpreto da seguinte maneira. Lula com toda a sua prepotência (para uns) e sabedoria (para outros) quer realmente dizer que quanto mais eles derem “esmola”, mais votos eles vão somar e com isso ter o respaldo necessário para poder ir ficando no poder e então multiplicar em muitos milhões o dinheiro que é desviado de todas as formas da Saúde, da Educação, da Segurança, dos Transportes. Pois é isso que eles provaram que sabem fazer de melhor.

Da mesma forma que interpreto que essas liberações que a presidente fez recentemente em São Paulo, de verbas para isso e para aquilo, é já uma tentativa de conseguir a atenção, aumentar a sua popularidade e o voto do povo, pois isso foi feito justamente quando sua popularidade sofreu um baque. Nessas suas outras viagens recentes, justamente em ano pré-eleitoral, a presidente Dilma Rousseff tem repetido agendas e participado cada vez mais de cerimônias relacionadas à ações de alcance social – como a entrega de retroescavadeiras e máquinas a prefeitos – já que os grandes feitos e nem tão feitos assim de seu governo, como ferrovias e transposição do rio São Francisco, estão longe das metas iniciais. Mas dessa maneira, ela pode alegar que o básico já foi entregue, o primeiro passo foi dado. Quem quer se deixar enganar, que engula isso. Dentre os eventos que Dilma tem participado me chama muito a atenção o que ela entregou casas sem água e energia elétrica. Foi o que aconteceu nesta terça-feira (15), em Vitória da Conquista, no sudoeste baiano, de acordo com reportagem da Folha de S. Paulo. Ou seja, o básico eu entreguei meu povo, a sua casa. Água, energia são luxo. Um dia virão. Tenham paciência.  Com isso os beneficiários do programa “Minha Casa, Minha Vida” passam as noites à luz de velas, utilizam baldes com água trazida de outros locais e contam com ajuda de vizinhos que já têm água ou energia em casa.

É o seguinte. Temos o Bolsa Família aqui. Quando eu penso que milhões estão se beneficiando eu perco o foco e não vejo mais nada.

dilma1610Agora você vai querer me dizer que isso é normal? Seria o mesmo que dar de presente um conjunto de pratos e talheres para quem não tem como comprar comida e, para que o dia que a comida brotar do ar, eles pelo menos tenham onde comer. Isso é fofo? Isso é cuidar? Ou isso está mais para mostrar um serviço porco e pela metade?

Por que todas essas coisas acontecem dessa forma justamente quando estamos nos aproximando de ano pré-eleitoral? Tipo, por que só agora e nessa velocidade? Tenho certeza que ainda falta Dilma visitar muito o nosso país. E que ela ainda vai entregar muita coisa de uma forma quase que desesperadora para se manter com a possibilidade de ganhar mais 4 anos, ou em último caso, como já sabemos, que o “volta Lula” seja aos 45 minutos do segundo tempo oficializado, apesar de Lula continuar negando, negando e negando.

É disso que estou falando, interpretação. Com certeza, o lado de lá interpreta essas ações da Dilma como uma presidente que faz e cumpre o que prometeu, no tempo que for. E não conseguem enxergar um ato simplesmente eleitoreiro.
 
Tudo é uma questão de interpretação! – Parte II

Eu queria, juro que queria, saber qual é a interpretação do lado de lá quando se descobre que as fraudes no Bolsa Família vem desde sempre. Sim, com quase toda a certeza iriam dizer que é normal já que é um programa tão grande que está sujeito a algumas intempéries. Intempéries?  Quer dizer que o fato de em 2008, 577 políticos eleitos, 3.791 mortos, 106.329 donos de carros, caminhões, tratores e motos, e a 1,1 milhão de famílias com renda acima do permitido, estarem recebendo esse benefício fazem parte do pacote aceitável de fraude, levando-se em consideração a abrangência do programa? E que 2.168 políticos eleitos em 2012 são beneficiários do programa? Isso é o quê? Um probleminha que está sendo resolvido? Ah, falha do estagiário?

E essa grana vai ser devolvida? Será que a parte de lá se preocupa com isso? Ou fica no deixa pra lá, já que o programa mudou a vida de milhões de pessoas?

A minha interpretação? Quer realmente saber? Preciso realmente interpretar isso?

Dica: Contrate urgente um professor. Mesmo que ele seja de Química. Professor eu tenho uma dúvida…

Tudo é uma questão de interpretação! – Parte III
 
Cuidado com o que você poderá vir a interpretar daqui pra frente. Agora é o momento de você até pensar em contratar um professor de português para lhe auxiliar em suas interpretações, para que você consiga discernir o que é objeto e se ele é direto ou indireto – fica dando voltas e não a que veio –, o que é predicado, o que são orações subordinadas e principalmente quem é o sujeito. E se ele for oculto, cuidado.

Salve as baleias. Não jogue lixo no chão. Não fume em ambiente fechado.

Deixe um comentário