Tudo acontece em ano de eleição!

Por Claudio Schamis – opiniaoenoticia.com.br

No primeiro trimestre de 2013 não era ano de eleição. Não era ano de nada e, portanto, para marcar uma presença básica no setor agrícola, a presidente Dilma entregou 71 equipamentos com um custo de R$ 11,1 milhões em três eventos. De janeiro de 2014 até agora, ou seja, no primeiro trimestre de 2014, que é ano de eleição, a presidente decidiu que seria legal “marcar uma presença mais marcante” no setor agrícola e num piscar de olhos aconteceu um milagre, o milagre da multiplicação das máquinas, através do qual a presidente Dilma entregou 718 equipamentos, no valor total de R$ 215,7 milhões, em cinco eventos.

Foi aqui que pediram uma escavadeira?

Fora isso Dilma deu, nos dois primeiros meses de 2014, 2.182 equipamentos, como retroescavadeiras, motoniveladoras e caminhões.Ou ela incorporou o Silvio Santos, num verdadeiro “quem quer máquina agrícola?”, ou resolveu que seria o momento propício para encarnar Mamãe Noel fora de época.

Sinceramente, vou acabar achando que seria legal termos uma eleição por ano. Assim pelo menos talvez os políticos cumprissem suas promessas no intuito de continuar o seu trabalho no poder. Acho que no final das contas todos acabaríamos ganhando. Eles continuariam com o poder e nós continuaríamos recebendo as benesses de suas promessas.

Tanto é verdade que o discurso demagogo de Dilma numa dessas entregas não me deixa mentir: “O que rege a questão das máquinas agrícolas é o espírito de parceria republicano”. Agora vem a melhor parte: “Não quero saber quem é, e onde é que o prefeito tem seu coração político. Se o prefeito é de que partido. Não interessa. É direito do prefeito e da prefeita receber a máquina.”

E como a lei eleitoral prevê que candidatos não podem participar de inaugurações de obras e eventos a partir de 5 de julho, vamos correr com as entregas, né?

Essas doações de máquinas fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2), que vai beneficiar cidades com até 50 mil habitantes. Para dar explicações, sobrou para o diretor do próprio PAC 2, Marco Antônio Viana, que disse que a política deles não é de governo, e sim de Estado, em que todos são beneficiados. Pode ser do PT, do PSDB, do PSB ou qualquer outro partido político. Não é lindo esse amor apartidário? E Marco Antônio já avisou que até o final do mês de março mais 900 máquinas serão entregues. E até junho deste ano, mais cinco mil máquinas agrícolas também serão doadas.

A Controladoria Geral da União (CGU) já investiga possíveis irregularidades na utilização dessas máquinas distribuídas pelo governo federal.

Quem viver verá! Ou não!

Enquanto isso doações apodrecem em Teresina…

Esse é o retrato do descaso e do desrespeito!

De um lado, o governo se mostra preocupado em dar máquinas para agricultores, de outro, é incapaz de coordenar a entrega de doações feitas para as vítimas de enchentes no Piauí em 2008, que apodrecem em um depósito em Teresina seis anos depois. Qual a explicação para isso?

São dez mil colchões, sete mil lençóis, oito mil cobertores, nove mil toalhas e três mil filtros, produtos avaliados em R$ 3 milhões, mas existem vítimas dessas enchentes que até hoje não receberam absolutamente nada.

Quem explica isso? Por que esse descaso e essa desumanidade?

Não é só incompetência. Não é só descaso. É isso tudo e mais um pouco.

A Secretaria Estadual de Defesa Civil, responsável pelo material, declarou que ficou tudo guardado por se tratar de um excedente e que pelas regras deve permanecer guardado até  poder ser usado em outra emergência.

Tá, me engana que eu continuo gostando.

Como assim? E as vítimas que não receberam nada? E o que dizer de outras vítimas de outros estados que receberiam esse excedente de braços abertos, mas que esbarram nessa burocracia estúpida e inexplicável?

Realmente, os homens estão cada vez mais estúpidos na maneira de agir e pensar.

Enquanto isso o presidenciável Eduardo Campos…

 

 

 

 

 

Nada justifica que um governo gaste R$ 52 mil com bolo de rolo e mais R$ 388 mil com o bufê do camarote oficial no Carnaval do ano passado enquanto se tem 3.992 pacientes há mais de dois anos esperando por uma cirurgia. Pois o Ministério Público acionou o governo do presidenciável Eduardo Campos para que providências sejam tomadas.

A Secretaria de Saúde tentou justificar as longas filas com a demanda crescente da população, motivada em grande parte pela epidemia do trauma, causada por acidentes de trânsito e pelo envelhecimento da população. Mas cá entre nós, isso é papo para boi dormir. Se estão percebendo esse aumento da demanda, que tomem providências. E, cá entre nós de novo, esse aumento de demanda não se dá da noite para o dia. Ele ocorre gradualmente e deveria ser percebido a tempo de se evitar o colapso na saúde como está acontecendo em Pernambuco.

Se gastos assim fossem redirecionados para atender a população, seja com mais médicos, mais equipamentos, talvez essa lista fosse bem menor.

E é bom que assim vamos conhecendo nossos (provavelmente seus) candidatos para ocupar a cadeira que estará vaga (?) no Palácio do Planalto.

E já dizia Eduardo Campos, governador de Pernambuco: “O povo quer mudanças em 2014. Não há marketing, maquiagem ou tempo de TV que mude isso.”

Boa sorte para todos nós.

Enquanto isso, as pesquisas, mesmo depois do escândalo da Petrobras…

Olha nós aí de novo!!

Apesar de tudo isso, o Ibope vem me dizer que Dilma venceria no 1º turno em qualquer um dos cenários.

Sinceramente, não sei se começo a tentar aceitar o inevitável, se começo a procurar algum outro país para morar e tentar recomeçar minha vida aos 46 anos ou se assalto um banco e vou morar no Caribe com meus livros.

Outras sugestões vocês podem mandar pelos comentários do site.

Salve as baleias. Não jogue lixo no chão. Não fume em ambiente fechado.

 

Deixe um comentário