Temer tenta montar governo paralelo

.
Por Alex Solnik* – Brasil 247

.
images_cms-image-000455190À medida em que percebe a desorientação e o estilo errático do governo, campeão em desconstruir no dia seguinte o que construíra na véspera, o vice Michel Temer perde a timidez, ocupa espaço e inverte a equação. Antes, ele esperava ordens da presidente; agora, as dá.

Embora tenha trocado amabilidades com ela no desfile cívico, o que passou a impressão, para a plateia, de que eles estão alinhados, Temer não se furtou a criticar, no dia seguinte, a principal declaração dela na mensagem de 7 de setembro, a de que seria necessário aplicar “remédio amargo” para salvar a economia.

A resposta de Temer foi cirúrgica: “Temos que evitar remédios amargos”. Nesse mesmo dia o todo poderoso chefão da Fazenda insinuou, em Paris, que o governo poderia elevar o imposto de renda, contribuindo, mais uma vez, para azedar o clima nacional e Temer rebateu na lata: “Aumento de tributos só em última hipótese”.

Isso não mostra apenas que há divergências no Planalto. Isso não mostra apenas que o vice cada vez mais se alinha aos presidentes da Câmara e do Senado.

Mostra, cada vez mais claramente, que o Brasil tem dois governos. O da caneta e o dos votos no Congresso. Enquanto o primeiro está se desmanchando no ar, o segundo parece estar sendo montado por Temer, por via das dúvidas.

 

* Alex Solnik é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais “Porque não deu certo”, “O Cofre do Adhemar”, “A guerra do apagão”, “O domador de sonhos” e “Dragonfly” (lançamento janeiro 2016).

 

Deixe um comentário