Brasil  

TCE acha irregularidades nas obras do Maracanã feitas por consórcio integrado pela Delta

.
De acordo com levantamento, custos das obras poderiam ter sido reduzidos em, ao menos, R$ 226 mil.
 
Mais de R$ 8,7 milhões gastos pelo governo estadual do Rio de Janeiro em projetos executivos do Maracanã  não foram aprovados ou sequer saíram do papel. Este é o resultado de uma inspeção feita pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) nas obras de reforma e ampliação do estádio, que são feitas pelo Consórcio Rio 2014, do qual a Delta Construções faz parte.

Leia também: Exigências da FIFA fazem orçamento de obras no Maracanã disparar
Leia também: Contratos sem concorrência mostram proximidade entre Cabral e Delta

De acordo com reportagem do O Globo desta quinta-feira, 23, o levantamento ainda revela o desembolso de R$ 226 mil acima do previsto no edital de licitação para o transporte das cadeiras do estádio. O documento do TCE mostra que o Consórcio Rio 2014 utilizou uma carreta de menor porte para transportar as mais de 83 mil cadeiras do Maracanã. A diferença paga, entre o previsto e o ocorrido, foi de R$ 226 mil.

As irregularidades não param e a pesquisa também garante que a modernização do estádio poderia ter sido reduzida em R$ 27,5 milhões. De acordo com a lei federal 12.350, instituída em dezembro de 2010, os projetos relacionados à Copa do Mundo recebem isenções de PIS e Cofins, o que reduziria os gastos. O tribunal acredita não ser “razoável” que o governo não tenha encontrado forma de usufruir destes direitos.

Com relação à análise de 301 plantas, técnicos afirmam que foram usados dados presumidos sobre as medições, o que poderia ter gerado uma adoção de critérios distintos de medição dos projetos, com relação ao que estava previsto no edital. O projeto, orçado em R$ 705 milhões, já foi elevado para R$ 931 milhões. O consórcio é formado pelas empreiteiras Odebrecht, Andrade Gutierrez e Delta.

A Secretaria de Obras, em respostas ao relatório, informou que os técnicos analisaram parte dos projetos executivos e que mais de duas mil plantas já foram entregues, todas de acordo com o projeto de reforma. A respeito da lei federal, o subsecretário-executivo da Secretaria de Obras, Hudson Braga, informou que na próxima terça vai requerer os benefícios de redução de impostos.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Deixe um comentário