Suspeitas contra favoritos constrangem o Congresso

Por Edson Sardinha e Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

As recentes denúncias contra os candidatos favoritos às presidências da Câmara e do Senado têm gerado dois fatos entre uma parcela minoritária dos parlamentares. Experimentando um sentimento de constrangimento pelas suspeitas em torno dos nomes do deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), parlamentares começam a buscar alternativas viáveis para derrotá-los na disputa pela principal cadeira das duas Casas.

As principais suspeitas contra Renan As principais suspeitas contra Henrique Alves

Até o momento, a expectativa é que Henrique Alves seja eleito presidente da Câmara e Renan retorne à principal posição do Senado, de onde saiu em 2007 após renunciar em meio a uma série de denúncias. Mesmo assim, parlamentares tentam articular uma reação para ao menos marcar uma posição contrária às candidaturas dos dois. O receio é uma piora na imagem do Congresso, já abalada pela reincidência nas denúncias de irregularidades nas duas Casas.

Assine a Revista Congresso em Foco

“Ter dois presidentes com muitas denúncias piora ainda mais a imagem do Congresso. Imagem que já não é muito boa”, avaliou o cientista político da Universidade de Brasília (UnB) David Fleischer. É dessa forma que uma parcela de deputados e senadores pensa. Apesar de concordarem que a tarefa de derrotar Henrique Alves e, especialmente, Renan é complicada, não deixam de mostrar insatisfação com a situação.

Tudo sobre a eleição das Mesas do Congresso

Na Câmara, a situação para o atual líder do PMDB é um pouco mais complicada. Por enquanto, ele enfrenta três candidatos. Júlio Delgado (PSB-MG), Rose de Freitas (PMDB-ES) e Ronaldo Fonseca (PR-DF) anunciaram suas candidaturas. Mesmo não contando com apoio formal de seus partidos, eles têm influências expressivas dentro da Casa, como entre as bancadas feminina e evangélica e o chamado “baixo-clero”, grupo de deputados que não integram a cúpula da Casa.

“Hegemonia do PMDB é perigosa”, diz Júlio Delgado Rose de Freitas: “A Câmara não é democrática. Ela exclui”

Para Fleischer, ainda é uma incógnita se as denúncias recentes contra Henrique Alves vão afetar sua eleição. Porém, ele acredita que o peemedebista tem um caminho mais tortuoso pela frente. Por dois motivos. Primeiro, pela possibilidade de novas denúncias aparecerem. Depois, pelo fato de o líder da bancada do PMDB na Câmara já ter tido problema com deputados do baixo clero. “Não sei se Henrique está cuidando do baixo clero”, afirmou o cientista político.

“A gente tem de criar uma alternativa, não dá pra aceitar como natural essas candidaturas pelo fato de o partido ser majoritário e ter acordo com o PT, o outro principal partido”, disse o líder do Psol na Câmara, Chico Alencar (RJ). Para o deputado, que já conversou com Rose e Delgado, uma nova candidatura avulsa não está descartada. “A gente não discutiu nomes. Não estamos satisfeitos com as candidaturas favoritas postas.”

Chico Alencar quer que o novo presidente da Câmara tenha compromisso com a transparência, a austeridade e o protagonismo do Parlamento. Ressalta que, em tese, ninguém é contra esses temas, mas, na prática, a situação se modifica. Por isso, ele entende que é preciso reunir um grupo de deputados para apoiar a candidatura que “melhor expresse isso”. “O ideal é que tenha um candidato de um partido com mais densidade que assuma essas bandeiras”, comentou. Uma das alternativas é o deputado Reguffe (PDT-DF), que não respondeu ainda sobre o convite e sinaliza simpatia à candidatura de Júlio Delgado.

Mesmo com as denúncias, Chico entende que a candidatura de Henrique Eduardo Alves ainda é a favorita. Adianta, porém, que os deputados descontentes com a candidatura do peemedebista vão fechar uma plataforma comum em torno dos princípios e analisar os nomes na disputa. “Uma candidatura alternativa, mesmo que não venha a vencer, é um norte para uma postura vigilante para a presidência de cada Casa”, disse.

Falta de adversários

Enquanto na Câmara já são quatro candidatos declarados, no Senado o favorito para ser eleito presidente está de férias. Renan Calheiros, atual líder do PMDB, até o momento não oficializou sua candidatura. Isso só deve ocorrer em 28 de janeiro, quando a bancada peemedebista se reúne para definir o próximo líder e quais cargos vai ocupar na Mesa Diretora e nas comissões permanentes.

De uma certa forma, a demora em oficializar sua candidatura acabou neutralizando boa parte das alternativas possíveis ao seu nome. Desde novembro, senadores da oposição e de grupos independentes cogitaram alternativas para disputar o cargo. Reuniões e jantares ocorreram em Brasília na tentativa de formar uma candidatura. Isso acabou não ocorrendo.

Por enquanto, somente o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP) decidiu concorrer contra Renan. Por uma decisão da cúpula nacional do seu partido, ele vai entrar na disputa. Seu nome, no entanto, não consegue unir a oposição. Ontem, o líder do PSDB, Alvaro Dias (PR), disse não apoiar Randolfe e que continua na procura por um novo candidato. Para ele, o nome ideal é de Pedro Taques (PDT-MT).

Líder do PSDB descarta apoio a Randolfe no Senado Contra Renan, Randolfe cobra coerência do PSDB

“O Randolfe aceitou, e vejo essa candidatura dele com a maior simpatia. Mas não é uma candidatura para ganhar. Queria que o Luiz Henrique saísse. Mas ele está numa posição […]. Ele não aceitou”, resignou-se o senador Pedro Simon (PMDB-RS), um dos integrantes do grupo dos independentes no Senado, fazendo referência ao senador Luiz Henrique (PMDB-SC). “Randolfe é moço e corajoso. O meu voto ele tem. Para ganhar, quem sabe dizer?”, completou.

Por Renan, PMDB negocia outros cargos no Senado

Na Câmara e no Senado, a tradição é que o partido com a maior bancada eleja o presidente. Entre os deputados, o PMDB tem a segunda maior bancada. Mas, por conta de um acordo celebrado em 2010 que levou Marco Maia (PT-RS) à presidência no ano seguinte, a legenda tem o apoio petista para o cargo. Entre os senadores, os peemedebistas são maioria.

Por essa situação, Simon não vê grandes chances de Renan perder a eleição. Além disso, aponta que a integração do partido com o governo Dilma Rousseff está maior do que nos tempos de Lula. Ele cita o vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), como próximos da presidenta. E lembra que Renan integra a cúpula do partido. “A integração com a Dilma é forte mesmo. Eles estão integrados no governo. A Dilma está perfeitamente integrada nesse esquema”, acrescentou.

O cientista político David Fleischer ainda acrescenta um outro fator que favorece Renan e dificulta o crescimento de uma candidatura avulsa: a diminuição da oposição no Senado. Com a cassação de Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) por falta de decoro parlamentar, o movimento perdeu ainda mais força. “A oposição já saiu enfraquecida das eleições. E com o caso Demóstenes ficou mais ainda”, disse.

A escolha do presidente do Senado está marcada para o próximo dia 1º, quando os parlamentares voltam aos trabalhos. No dia 4, é a vez de os deputados irem às urnas.

Deixe um comentário