Mundo  

Seguranças da Rainha acusados de uso de drogas e orgias no Palácio de Buckingham

Um tribunal inglês ouviu esta semana acusações inéditas sobre o comportamento dos guardas da rainha. Segundo um antigo guarda de proteção real, os colegas sentavam-se no trono, jogavam e vendiam droga e pornografia.
As acusações foram feitas durante o julgamento de Paul Page, antigo responsável pela segurança da rainha, que é acusado de fraude e de fazer ameaças de morte. O réu foi ainda mais longe, acusando os antigos colegas de permitirem a entrada de amigos em festas da família real e utilizarem o Palácio como parque de estacionamento para amigos e conhecidos.
Paul Page aproveitou a presença em tribunal do sargento Adam McGregor, que trabalhou na segurança do Palácio de Buckingham até 2005 e que alega ter sido vitima de um esquema montado por Page para financiar uma vida de luxo, para levar a cabo uma série de acusações que descredibilizam os serviços de segurança reais.
Durante uma sessão no Tribunal de Southwark, em Londres, a acusação viu-se envolvida no escândalo quando a defesa afirmou que, em vez de garantir a segurança do palácio, as equipes de McGregor praticavam atos  ilícitos dentro das instalações reais. Questionado por John Cooper (advogado legal de Page), o sargento McGregor negou as acusações, mas admitiu ter-se sentado em um dos tronos da Rainha Isabel II. “Poderei ter-me sentado num dos tronos, mas não me lembro de ter feito em tom de gozação”.
Esta não é a primeira vez que guardas da rainha são acusados de consumo de drogas. Em 2006, cinco guardas que haviam sido indicados para a segurança pessoal da rainha, durante a abertura anual do Parlamento , foram expulsos do serviço militar depois de submeteram a teste de rotina que detectaram o uso de drogas.
Paul Page nega os crimes de fraude e intimidação. Segundo a acusação, guardas da rainha perderam mais 250 mil libras (600 mil reais aproximadamente) num negócio de alto risco, que prometiam um retôrno elevado e irreal, descreveu a procuradoria da rainha. O negócio tinha como objetivo o investimento no mercado imobiliário, mas a acusação alega que Page nunca teve intenção de investir, mas sim utilizar o dinheiro para pagar as dívidas acumuladas pela família.

Deixe um comentário