Se fosse eleita hoje, Dilma teria 63% do Senado

Levantamento do site Congresso em Foco mostra que base de Dilma aumentou desde agosto. José Serra teria 33% de apoio.

A base da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, está aumentando. Segundo levantamento do site Congresso em Foco,  caso assumisse a presidência hoje, Dilma teria o apoio de 63% do Senado (51 senadores). Em agosto, as pesquisas apontavam para 57% das cadeiras. Já o candidato José Serra, do PSDB, conta hoje com o apoio de 27 senadores (33%), enquanto Marina Silva, do PV, não tem nenhum. Plínio de Arruda, do Psol, poderia contar com o apoio de Heloísa Helena, presidente nacional do partido, que deve ser eleita por Alagoas. A pesquisa considerou os dois líderes de intenções de votos em cada estado e os senadores que continuam por quatro anos.

Os números  recentes indicam que a oposição mais ferrenha está perdendo espaço no Senado. No Rio de Janeiro, o ex-prefeito César Maia, do DEM, um potencial incômodo para a candidata petista, pode ser o mais recente “alívio”. Maia, que aparecia em segundo lugar nas intenções de voto, após Marcelo Crivella, do PRB,  foi ultrapassado pelo petista Lindberg Farias, como aponta pesquisa da Datafolha divulgada no último sábado, 11.

No Amazonas, Arthur Virgílio, do PSDB, um dos grandes desafetos de Lula, ameaça menos um possível governo de Dilma.  Virgílio vinha em segundo nas pesquisas, mas o levantamento mais recente mostrou que ele caiu para terceiro lugar na preferência do eleitor, atrás da deputada Vanessa Grazziotin, do PCdoB. Eduardo Braga, do PMDB, está disparado na frente com 80% das intenções de voto.

Em São Paulo, com a saída de Orestes Quércia, do PMDB, a bancada estadual não teria senadores oposicionistas. Com isso, Minas Gerais abrigaria o cerne da oposição, com Aécio Neves, do PSDB, e o ex-presidente Itamar Franco, do PPS,  juntando-se a Eliseu Rezende, do DEM.

Em Goiás, as pesquisas recentes confirmam a formação de um grupo oposicinista, com Marconi Perillo e Lúcia Vânia, do PSDB, e o demista Demóstenes Torres.

Deixe um comentário