Brasil  

Revistas e jornais brasileiros passam por dificuldades

Em seus escritórios na marginal Tietê, a editora Abril, um enorme império editorial, exibe as suas 53 revistas em uma parede, mas essa coleção está prestes a encolher. Roberto Civita, o presidente da Abril, morreu em maio, o que pegou a empresa familiar com a guarda baixa. Em uma situação em que já enfrenta receitas decrescentes, no mês passado a Abril anunciou que demitiria um punhado de editores sênior e que fundiria suas dez divisões editoriais em apenas cinco. Analistas especulam que pelo menos dez revistas deficitárias e mil empregos possam vir a serem cortados nos próximos meses. “O prédio está tremendo”, afirmou um executivo de marketing.

A Abril não está sozinha. Em junho a Folha de São Paulo, o maior jornal do país, demitiu 24 funcionários, 6% do pessoal. O Estado de São Paulo também foi atingido. Em maio, após a morte de seu diretor, Ruy Mesquita, o jornal cortou 50 empregos. O Jornal da Tarde, que pertence ao mesmo grupo, e que enfrentou a ditadura militar que governou o país de 1964 a 1985, foi fechado no ano passado. Avalia-se que a crise tenha eliminado 280 empregos apenas em São Paulo neste ano. “Estamos no meio de uma tempestade”, afirma Jayme Sirotsky, ex-presidente da Associação Mundial de Jornais. “Todo mundo está tentando produzir conteúdo jornalístico de qualidade e ainda assim permanecer lucrativo em um ambiente hostil”.

Essas são agruras familiares. Convulsões demográficas, desaceleração econômica e a tecnologia estão comprometendo as editoras brasileiras. As editoras contavam que os 40 milhões de brasileiros que deixaram a pobreza na década passada gerariam uma nova onda de assinantes. Em vez disso, a nova classe média passou a acessar as notícias on-line: quase metade de todos os domicílios tem conexão à internet hoje em dia.

Texto da revista Economist editado para o Opinião e Notícia.
Tradução: Eduardo Sá

Deixe um comentário