Renan e Jucá reagem a pedido de Janot: “Delírio”

.

Presidente do Senado, senador Renan Calheiros(PMDB-AL) e ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Romero Jucá após encontro na Presidência. Foto: Jane de Aráujo/Agência Senado

Presidente do Senado, senador Renan Calheiros(PMDB-AL) e ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Romero Jucá após encontro na Presidência.
Foto: Jane de Aráujo/Agência Senado

Após a solicitação entregue pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã desta sexta-feira (20) – em que pede investigação contra quatro peemedebistas suspeitos de integrar esquema de corrupção na construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará –, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que as “imputações” relacionadas a ele são por “ouvir dizer” ou “fruto de interpretações subjetivas”.

Em nota divulgada por sua assessoria de imprensa, Renan reitera que “sempre esteve e continua à disposição para quaisquer esclarecimentos”. O texto também caracteriza as acusações como “delírio” do ex-senador Delcídio do Amaral.

“Todas as imputações envolvendo o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) são por ouvir dizer ou fruto de interpretações subjetivas. O delírio do ex-senador Delcídio do Amaral, por exemplo, é por “fazer parte do time do Sarney”. O senador Renan Calheiros reitera que sempre esteve e continua à disposição para quaisquer esclarecimentos”, diz a nota.

Já a equipe de assessores do novo ministro do Planejamento, Romero Jucá, pontua que todos os recursos recebidos para fomentar as campanhas políticas do PMDB em Roraima foram recebidos “oficialmente” e estão detalhados na prestação de contas formalizada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O texto também enfatiza que Jucá nunca se reuniu com Otávio Azevedo para falar sobre possíveis contratos de obras e “nunca autorizou ninguém” a realizar tratativas em seu nome.

“A assessoria de imprensa do ministro Romero Jucá  informa que  todos os recursos  para campanhas  políticas  do PMDB  em Roraima foram recebidos oficialmente e fazem parte das prestações de conta. Ressalta ainda que todas campanhas foram aprovadas pela Justiça Eleitoral. O ministro nunca esteve em  nenhuma reunião com Otávio Azevedo pra tratar de qualquer obra e nunca autorizou ninguém a fazer qualquer tratativa em seu nome”, reitera o texto divulgado pela assessoria de imprensa do ministro.

Delcídio do Amaral

As acusações contra os integrantes da cúpula do PMDB são baseadas em depoimentos prestados pelo ex-senador Delcídio do Amaral e por Luiz Carlos Martins, da construtora Camargo Corrêa. Janot pediu que, além de Renan Calheiros e Romero Jucá, sejam incluídos os senadores Valdir Raupp (PMDB-RO) e Jader Barbalho (PMDB-PA) no inquérito que tramita no STF e já apura a suspeita de participação do senador Edison Lobão (PMDB-MA), ex-ministro de Minas e Energia, com irregularidades na usina.

Em seu acordo de delação premiada, Delcídio informou que ex-ministros operaram um esquema de desvio de recursos das obras de Belo Monte, em que pelo menos R$ 30 milhões em propina foram para os cofres do PT e do PMDB.

 

Do Congresso em Foco

Deixe um comentário