Renan confirma candidatura após denúncia de Gurgel

Por Eduardo Militão e Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

O silêncio, enfim, acabou. O senador Renan Calheiros (PMDB-AL), denunciado pelo Ministério Público no caso dos “bois de Alagoas”, admitiu oficialmente pela primeira vez que é candidato à presidência do Senado. Ao enviar nota à imprensa para se defender das acusações de Roberto Gurgel, noticiadas em primeira mão pelo Congresso em Foco, o parlamentar criticou o momento em que o Ministério Público apresentou a ação ao Supremo Tribunal Federal. “A denúncia foi protocolada exatamente na sexta-feira anterior à eleição para a Presidência do Senado Federal”, afirmou Renan, por meio de assessores.

 

Gurgel denuncia Renan no caso dos bois de Alagoas

Leia a íntegra da nota do senador

Na nota, o senador afirma que a acusação de Gurgel “padece de suspeição e possui natureza nitidamente política”. “O inquérito é de agosto de 2007 e, apesar de se encontrar parado na Procuradoria da República desde fevereiro de 2011, a denúncia foi protocolada exatamente na sexta-feira anterior à eleição para a Presidência do Senado Federal”, criticou Renan. “Trata-se de atitude totalmente incompatível com o habitual cuidado do Ministério Público no exercício de suas nobres funções.”

Antes da nota de ontem, Renan nunca admitira ser candidato ao Senado. Trabalhando reservadamente, o senador se limitava a dizer à imprensa apenas que o PMDB estava “unido” e que certamente haveria um candidato do partido. Agora, proposital ou inadvertidamente, o líder do PMDB se expõe publicamente para uma disputa marcada para a próxima sexta-feira (1º). Seus adversários, até o momento, são Randolfe Rodrigues (Psol-AP) e Pedro Taques (PDT-MT).

Na nota, o senador relembra que, como mostrou o Congresso em Foco, foi ele mesmo quem pediu à Procuradoria Geral da República que o investigasse. Diz que forneceu os documentos “verdadeiros” além de papéis sobre seus sigilos bancário, telefônico e fiscal. Na verdade, Renan gostaria que a apuração a inocência no caso dos bois. Na nota de hoje, o senador disse esperar que o Supremo o julgue “num ambiente de imparcialidade”.

Conheça aqui outras acusações contra Renan Calheiros.

Renan enfrenta nova investigação por crime ambiental

Notas frias

Em 2007, quando era presidente do Senado, Renan foi acusado por Mônica Veloso, sua ex-amante, de usar dinheiro do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, para pagar suas despesas com a pensão do filho e do aluguel da jornalista. Para comprovar que tinha condições de arcar com os gastos sozinho, o senador apresentou notas fiscais de vendas de bois. Mas a Polícia Federal apontou que aqueles documentos não garantiam recursos para quitar a pensão. Também afirmou que os papéis não comprovavam a venda de gado. Havia a suspeita que as notas eram frias. O caso levou o senador a deixar a presidência do Senado, cargo que agora volta a postular.

Houve crise no Senado. A empreiteira Mendes Júnior – apontada como a fonte de recursos de Renan para pagar a pensão da jornalista – executou uma obra no Nordeste que recebeu uma emenda do senador na Lei de Diretrizes Orçamentárias. A suspeita chamou atenção para outra. Houve seis denúncias no Conselho de Ética contra Renan. Em duas, o plenário analisou se cassaria seu mandato, mas ele escapou.

Todavia, o senador teve de renunciar ao cargo de presidente da Casa para garantir a sobrevida política. Em 2008, “mergulhou”. No ano seguinte, já era líder do PMDB no Senado. Desde 2012, costura sua candidatura nos bastidores. E ontem à noite, lançou-a oficialmente ao ver seu nome relacionado com o escândalo que levou à sua derrocada em 2007.

Deixe um comentário