Relator da CPI dos Correios afirma que Dirceu foi ‘blindado’ nas investigações

Para o deputado Osmar Serraglio, relator da CPI dos Correios, o ex-primeiro ministro da Casa Civil, José Dirceu foi beneficiado pela proteção de uma “tropa de choque”, formada por colegas do PT. O deputado foi o relator da CPI dos Correios, que embasou a denúncia formal do mensalão. A investigação da CPI aconteceu entre 2005 e 2006.

Segundo Serraglio, se Dirceu não contasse com uma blindagem tão contundente, a investigação teria resultados mais eficazes, com mais provas sobre a relação do ex-ministro com o caso mensalão. O deputado afirma que os petistas dificultavam o acesso a documentos, além de dificultar o depoimento de Dirceu.

A “tropa de choque” que blindou Dirceu seria formada por Carlos Augusto Abicalil, Jorge Bittar e Ideli Salvatti, hoje ministra de Relações internacionais do governo. De acordo com Serraglio, a alegação de que José Dirceu não tinha conhecimento sobre a relação do partido com Marcos Valério e os bancos BMG e Banco Rural é uma falácia: “Um ministro do Supremo vai acreditar que ele não sabia quem recebia em seu gabinete e abria a porta e era surpreendido pelas pessoas? Falácia! Poderíamos ter quebrado mais sigilos. No meio do caminho criou-se a CPI do Mensalão (sobre a qual o governo tinha ainda mais controle) e tiraram tudo da gente. A partir dela, só investigamos a origem do dinheiro e não o destino. Para onde foi? Não podíamos investigar”.

A uma semana do início do julgamento do caso pelo Supremo Tribunal Federal, o deputado disse ainda que a criação da CPI do Mensalão foi uma jogada inteligente para que o governo tivesse maior controle sobre as investigações: “Foi uma manobra”, disse.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Deixe um comentário