PT usa CPI do Cachoeira para desviar atenção do caso mensalão

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

A agenda do retorno do recesso parlamentar, em agosto, promete ser atribulada. A CPI do Cachoeira e o início do julgamento do mensalão, agendados pelo Supremo Tribunal Federal, deverão ter datas coincidentes. O relator da comissão da CPI, o deputado petista Odair Cunha, pretende reconvocar Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, a ex e a atual mulher do empresário goiano na mesma data do começo do julgamento do caso mensalão, com o intuito de dividir as atenções da opinião pública.

Outra estratégia do PT é atacar o candidato à prefeitura de São Paulo, José Serra (PSDB), através de uma audiência com Paulo Vieira de Souza, o Paulo Petro, ex-diretor da autarquia paulista de Desenvolvimento Rodoviário SA (Dersa). No entanto, a oposição acredita que também poderá se beneficiar se o colegiado decidir ouvir o depoimento de Luiz Antonio Pagot, ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

Quando o escândalo de Cachoeira veio à tona, a cúpula do PT decidiu aproveitar a chance para atacar adversários e desqualificar os envolvidos nas denúncias contra o partido. O PT atacou ainda a imprensa e o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Desde que a CPI foi instalada, no dia 25 de abril, nenhuma prova contra jornalistas ou Gurgel foi encontrada. Enquanto isso, Carlinhos Cachoeira permaneceu em silêncio durante as sessões.

Novas convocações

Na semana passada, a comissão da CPI aprovou a convocação do dono da Delta Construções, Fernando Cavendish, de Luis Antonio Pagot e Paulo Vieira de Souza, que teria arrecadado recursos para campanhas do PSDB. Além deles, foram convocados o prefeito de Palmas, Raul Filho (PT), flagrado em um vídeo negociando recursos com Cachoeira e Andreia Aprígio, ex-mulher do empresário preso.

Segundo o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), as convocações são um bom momento para a CPI, que não deve sofrer influencia do início do julgamento do mensalão: “Não creio nessa rivalização. Temos que aproveitar essa boa maré da aprovação dessas convocações.”

As investigações apontam que Cachoeira possa ter deixado seus bens no nome de sua ex-mulher: “A ex-mulher de Cachoeira declarou um patrimônio de R$ 9,8 milhões. Entre os bens, há uma casa em Miami, uma fazenda de 165 hectares, um avião Cessna, salas comerciais e apartamentos em Goiânia e no Rio”, diz um dos relatórios da CPI. A atual mulher do contraventor, Andressa Mendonça, também está sendo investigada.

 Fontes:Valor Econômico – CPI buscará ‘ofuscar’ julgamento do mensalão

Deixe um comentário