Propina da Petrobras foi paga em forma de doação a campanhas do PT, diz delator

.
timthO empresário Augusto Ribeiro Mendonça Neto, da Toyo Setal, afirmou em delação premiada que as empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras pagaram parte da propina em forma de doação oficial a campanhas eleitorais do PT.

 

Leia mais: O sofá na Petrobras

As declarações foram dadas à Polícia Federal nesta quarta-feira, 3. Segundo Neto, as orientações foram dadas pelo ex-diretor de Serviços da Petrobras, Renato Duque. Acusado pela PF de ser o receptor das propinas, Duque foi preso em novembro deste ano. Porém, nesta quarta-feira, 3, ele deixou a prisão após ser beneficiado por um habeas corpus concedido pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Em seu depoimento, Neto revelou que havia outras duas formas de pagar a propina a Duque: por meio de depósitos em contas no exterior, ou em parcelas em dinheiro vivo. O empresário disse ainda que o esquema existia desde a década de 1990, mas foi “oficializado” por Duque em 2004.

“Houve uma combinação entre Duque e as empresas do ‘clube’ coordenado por Renato Pessoa (empresário da empreiteira UTC), de que se estabelecesse uma lista de convidados em licitações da Petrobras em troca de pagamentos de uma comissão, durante o ano de 2004. A partir de então, todas as empresas passaram a negociar e a pagar suas comissões”.

Deixe um comentário