Saúde  

Pílulas anticoncepcionais da Bayer causam 23 mortes no Canadá

De acordo com o Ministério da Saúde do Canadá, ao menos 23 mulheres que tomam pílulas anticoncepcionais de consumo frequente morreram, na maioria devido a coágulos no sangue. A informação foi divulgada, nesta terça-feira (11) pela rede de televisão Canadian Broadcasting Corporation (CBC).

Os médicos e farmacêuticos, que são obrigados a notificar as reações adversas aos medicamentos, suspeitam que as pílulas Yaz e Yasmin do laboratório alemão Bayer foram as causadoras destas mortes. De acordo com o advogado que apresentou um recurso coletivo, citado pela CBC, centenas de mulheres podem ter sofrido os efeitos nocivos destes fármacos.

Milhares de ações foram apresentadas contra a Bayer, em particular nos Estados Unidos. As pílulas Yaz e Yasmin da Bayer estão entre as mais vendidas. Contêm drospirenona combinada com etinil estradiol, um estrogênio comum nos contraceptivos orais.

Outros casos

A Agência Americana de Alimentos e Medicamentos (FDA) já havia lançado em abril de 2012 uma advertência de que Yaz e Yasmin poderiam estar “vinculadas a um risco maior de coágulos no sangue” e que esta informação deveria aparecer em sua bula. A Agência Europeia de Medicamentos também fez uma advertência similar em 2011.

Em janeiro, a agência que regula os medicamentos na França confirmou que relaciona a morte de quatro mulheres no país diretamente ao uso Diane 35, um remédio para acne receitado como contraceptivo. As mortes teriam sido causadas por trombose venosa profunda, mas há relatos de AVC (Acidente Vascular Cerebral) e outros problemas.

Nos últimos 25 anos, 125 mulheres tiveram complicações que puseram suas vidas em risco devido ao uso do Diane 35 ou de seus genéricos. Depois das revelações, a Ema (Agência Europeia de Medicamentos) decidiu abrir uma investigação sobre o remédio e as pílulas de nova geração, como Yaz e Yasmin.

Fpnte: vermelho.org.br

Deixe um comentário