PF vai investigar denúncias de Valério contra Lula

Por Fábio Góis – congressoemfoco.com.br

A Superintendência da Polícia Federal confirmou, nesta segunda-feira (8), que vai abrir inquérito para apurar as denúncias feitas contra o ex-presidente Lula pelo empresário mineiro Marcos Valério Fernandes, um dos condenados no julgamento da Ação Penal 470 no Supremo Tribunal Federal (STF) – o chamado mensalão. Acusado por Valério de participar do esquema de compra de apoio parlamentar, Lula não estava entre os investigados no julgamento realizado no segundo semestre de 2012, que resultou na condenação de 25 réus e na absolvição de outros 12.

Leia tudo sobre o mensalão

Segundo a secretaria de comunicação da PF em Brasília, o pedido de abertura de inquérito foi protocolado hoje (8) pela Procuradoria da República no Distrito Federal. A partir da formalização do ofício, procedimentos de praxe serão realizados para que o inquérito tenha início, o que deve acontecer ainda nesta semana.

O pedido de abertura de nova investigação tem como base depoimento prestado por Marcos Valério à Procuradoria-Geral da República em setembro, ainda durante o julgamento daquela ação penal. Na ocasião, o empresário envolveu o ex-presidente no caso, dizendo que ele não só tinha conhecimento do esquema de compra de apoio político no Congresso, por meio de dinheiro de bancos e empresas públicos e privados, como comandava tudo à distância. Isso era possível, segundo Valério, por meio de interlocutores como o ex-ministro da Casa Civil de seu governo, José Dirceu, condenado a dez anos e dez meses de prisão em regime fechado, além do pagamento de multa de R$ 676 mil por corrupção ativa e formação de quadrilha.

Portugal Telecom

Em nota divulgada na última sexta-feira (5), a Procuradoria informou que a investigação vai ser dirigida a um suposto repasse de R$ 7 milhões da Portugal Telecom, em Macau, na China, ao PT, por meio de contas no exterior. O empresário acusou Lula de ter participado das negociações com o então presidente da Portugal Telecom, Miguel Horta. A Procuradoria solicitou diligências à PF para identificar a data do encontro citado por Marcos Valério.

No sábado, por meio de nota, Dirceu criticou a posição da Procuradoria e disse que o mensalão sequer existiu, e que não há elemento que justifique nova apuração sobre o caso. Para o ex-ministro, não há “qualquer prova” da existência do esquema e o próprio Supremo já se manifestou contrariamente à abertura de investigações para apurar as denúncias feitas por Marcos Valério contra Lula.

Deixe um comentário