Petrobras diminui investimentos em 2014

.
Por Dyelle Menezes – Contas Abertas
.
Os investimentos das 18 empresas que compõem o Grupo Petrobras foram reduzidos no primeiro semestre de 2014. As aplicações em obras e na compra de equipamentos da companhia somaram apenas R$ 39,1 bilhões nos seis primeiros meses deste exercício. O montante é 12,1% menor do que os R$ 44,5 bilhões aplicados em igual período do ano passado. Os valores foram atualizados pela inflação (constantes).

downloadO levantamento do Contas Abertas levou em consideração os dados disponibilizados pelo Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, do Ministério do Planejamento. A Pasta divulga a execução do Orçamento de Investimento das Empresas Estatais bimestralmente, bem como a execução da política de aplicação dos recursos das agências financeiras oficiais de fomento.

Petrobras obstruçãoO percentual de execução da estatal também foi reduzido, apesar de desde pelo menos o ano 2000, a dotação liberada é a menor dos últimos seis anos. Do total de R$ 84,4 bilhões previstos nos orçamentos de investimentos de 2014, 46,3% foram aplicados efetivamente. No ano passado, por exemplo, o orçamento anual atualizado no fim do primeiro semestre previa que R$ 95,3 bilhões. No primeiro semestre de 2013, 46,7% da previsão havia sido executada.

A execução geral reflete o desenvolvimento das ações da Petrobras. Para a iniciativa de exploração de petróleo e gás natural em bacias sedimentares marítimas, que possui R$ 10,2 bilhões de investimentos previstos este ano, apenas 50,6% (R$ 5,2 bilhões) foram aplicados. No Brasil, as bacias sedimentares marginais, localizadas no litoral e na plataforma continental, são as que possuem condições mais favoráveis à ocorrência do petróleo e do gás natural.

Já na rubrica “desenvolvimento da produção de petróleo e gás natural – pré-sal” a execução não chegou sequer à 50%. Com dotação de investimentos na ordem de R$ 7,6 bilhões, R$ 3,1 bilhões foram efetivamente aplicados (41,2%). O valor autorizado é o segundo maior entre as ações do Grupo. Os recursos devem ser aplicados em novos sistemas de produção de petróleo e gás natural do “cluster” do pré-sal já em operação e em outros campos ainda em fase de avaliação.

A ação tem por objetivo desenvolver os sistemas de produção de petróleo e gás natural de forma a aumentar a oferta ao mercado, garantindo a manutenção da autossuficiência. De acordo com o governo, o petróleo do pré-sal será a principal fonte de dinheiro para a educação brasileira nos próximos anos.

Apesar dos dados serem oficiais e publicados no Diário Oficial da União, questionada pelo Contas Abertas sobre a redução nos investimentos, a Petrobras afirmou que “as informações oficiais da Petrobras sobre investimentos no primeiro semestre somente estarão disponíveis na próxima sexta-feira, dia 8, como parte da Divulgação dos Resultados Operacionais e Financeiros do 2º trimestre de 2014.

A portaria das estatais é uma das únicas formas de acompanhamento dos investimentos das estatais brasileiras.

Para o economista da Universidade de Brasília (UnB) José Matias-Pereira, a redução nos investimentos da Petrobras é resultado do fenômeno que vem ocorrendo a partir da postura inadequada de usar a empresa para conter a inflação.

“A tendência é que esses números piorem cada vez mais. Quando a empresa chega em um nível de endividamento como o que a Petrobras chegou, e sangrando em razão do preço do combustível, é natural que os números só piorem o cenário, sintomas de uma gestão incompetente e temerária”.

Em 2013, a dívida da companhia saltou de R$ 147,8 bilhões para R$ 221,6 bilhões, aumento de 50%. No mesmo ano, a Petrobras foi classificada como a empresa mais endividada do mundo em um relatório do Bank of America Merrill Lynch.
– See more at: http://www.contasabertas.com.br/website/arquivos/9299#sthash.YijFfkJD.dpuf

Deixe um comentário