Perillo pede investigação sobre dossiê que o incrimina

Por Fábio Góis – congressoemfoco.com.br

O vice-presidente do Senado, Marconi Perillo (PSDB-GO), pediu em plenário ao corregedor da Casa, Romeu Tuma (PTB-SP), uma investigação sobre falsificação de passaporte e procuração em seu nome. O senador goiano disse que uma espécie de dossiê anônimo, que também reúne extratos bancários, serviu para abertura e movimentações de contas no exterior, de maneira a incriminá-lo por fraude documental.

“Vítima da formação de um dossiê, semelhante ao que aconteceu com o Dossiê Cayman, quando tentaram, adversários nossos, ferir a honra do nosso querido Mário Covas e de outros grandes ilustres brasileiros”, disse Perillo, que recebeu apoio de colegas de partido no plenário, bem como de nomes como Mão Santa (PSC-PI), que presidiu a sessão não deliberativa desta segunda-feira, e Paulo Duque (PMDB-RJ).

“Depois, mais recentemente, através do chamado ‘dossiê dos aloprados’, tentaram macular a honra e destruir a carreira política de um dos homens públicos mais notáveis deste país, o ex-governador, ex-senador e, se Deus quiser, futuro presidente da República”, acrescentou o senador, referindo-se ao candidato tucano à Presidência da República, José Serra.

Segundo Perillo, o material foi enviado à sua residência na última terça-feira (6) no dia em que ele anunciou a pré-candidatura ao governo do estado de Goiás. Sem detalhar o conteúdo do dossiê, Perillo atribuiu sua feitura à oposição em sua base eleitoral. O senador estendeu o pedido de investigação ao Ministério da Justiça e à Procuradoria Geral da República.

“Sempre compreendi que cada tostão desviado pelos ralos da corrupção significa a morte de mais uma criança por falta de recursos para a saúde”, discursou o parlamentar, garantindo não ter nenhuma conta bancária fora de Goiás. “Nem a minha conta de movimentação do salário do Senado está aqui em Brasília. Recebo o salário de senador na conta do Banco do Brasil em Goiânia.”

Em seu discurso de defesa, Perillo recorreu ao dicionário para enumerar mais de 30 sinônimos – todos proferidos da tribuna – para a palavra “cafajeste”, qualidade por ele atribuída ao autor do dossiê. Entre eles os poucos usados “chinfrim”, “biltre” e “ignóbil”. “Por fim, ressaltamos que, nas fontes consultadas preliminarmente, não se verificou traço regional nas expressões, mas de um caráter mais geral”, sentenciou o senador, que foi aparteado pelo líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), e pelos tucanos Alvaro Dias (PR), Mário Couto (PA), Cícero Lucena (PB), Lúcia Vânia (GO) e Papaléo Paes (AP).

Deixe um comentário