Para ministro do STF, “dados concretos” evidenciam tentativa de suborno

Lísia Gusmão
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello considerou, ao decidir manter preso o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), que há evidências da tentativa de suborno do jornalista Edmilson Edson dos Santos, conhecido como Sombra, testemunha do esquema de corrupção que atinge o governo do DF, empresários e deputados distritais.

No despacho de 12 páginas em que negou o pedido de habeas corpus impetrado pelos advogados de Arruda, o ministro afirma que a prisão preserva a ordem pública e a instrução penal. Segundo ele, as “minúcias” do esquema montado para corromper uma testemunha “são geradoras de perplexidade”.

“Friso, mais uma vez, não se estar diante de situação a revelar capacidade intuitiva, supondo-se práticas passíveis de serem realizadas, mas sim de dados concretos a evidenciarem desvios de condutas a atingirem a ordem pública e a solaparem a regular instrução própria ao inquérito, a coleta de dados visando a esclarecer, quanto aos fatos que motivaram a instauração do inquérito, a verdade real”, sustenta Marco Aurélio Mello.

O despacho contém trechos do depoimento prestado por  Sombra à Polícia Federal apontando os intermediários enviados por Arruda para negociar a desqualificação das denúncias do esquema de pagamento de propina no GDF e na Câmara Legislativa feitas pelo ex-secretário de Relações Institucionais Durval Barbosa. O ministro incluiu ainda trechos do depoimento do conselheiro do Metrô do Distrito Federal Antonio Bento, preso em flagrante após a entrega de R$ 200 mil a Sombra.

A decisão de Marco Aurélio Mello ainda será submetida a uma turma de ministros ou ao plenário do Supremo Tribunal Federal em data ainda não definida. O ministro tamém remeteu a sua decisão à Procuradoria-Geral da República (PGR). Dessa forma, será preciso aguardar a manifestação da PGR para que o pedido de habeas corpus seja analisado no mérito.

A expectativa, portanto, é que o governador licenciado, José Roberto Arruda, passe o carnaval preso.

Deixe um comentário