Mundo  

Paciência estratégica com Coreia do Norte acabou, diz Trump

Em sua primeira visita oficial ao Japão, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que o tempo de “paciência estratégica” com a Coreia do Norte acabou e que a partir de agora adotará uma postura agressiva contra o regime de Kim Jong-un. A afirmação foi feita nesta segunda-feira, 6, em uma coletiva de imprensa ao lado do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe.

“O programa norte-coreano é uma ameaça para o mundo civilizado e para a paz e a estabilidade internacionais. A era da paciência estratégica terminou”, alertou Trump, em Tóquio. Desde que assumiu a presidência no início do ano, Trump tem advertido que poderia considerar uma ação militar para frear o avanço do programa nuclear norte-coreano.

As declarações de Trump ganharam apoio do primeiro-ministro japonês, que vem sendo pressionado após mísseis norte-coreanos sobrevoarem o país nos últimos dois meses e tem adotado um discurso mais firme contra Pyongyang. “Respaldamos a política de Trump de manter todas as opções sobre a mesa” afirmou Abe garantindo que seu país abaterá os mísseis norte-coreanos se for necessário. “Em tais casos, o Japão e os Estados Unidos manterão uma estreita cooperação”.

O presidente americano chegou ao país no último domingo, 5, e visitou a base aérea de Yokota. Lá, ele deu um recado ao líder norte-coreano: “Nenhum ditador, nenhum regime deve subestimar a determinação dos EUA”.

Apesar das declarações fortes, Trump chegou a afirmar em uma entrevista a uma emissora de televisão, que já estava gravada e foi exibida no domingo, que estaria aberto ao dialogo com Kim Jong-un. “Estaria disposto a fazê-lo, mas vamos esperar para ver o rumo que isso toma, penso que é ainda muito cedo para uma reunião com Kim”, disse Trump, ao programa “Full Measure”.

A visita de Trump ao Japão é a primeira escala de uma viagem de 12 dias pela Ásia, afetada pela crise na Península Coreana. Em seguida, o presidente americano visitará a Coreia do Sul, China, Vietnam e Filipinas.

 

Fonte: Opinião&Notícia

Deixe um comentário