Oposição pede para Lula ser investigado pelo mensalão

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

O PPS e integrantes do PSDB apresentaram nesta terça-feira (6) uma representação para que o ex-presidente Lula seja investigado pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Eles querem saber qual a real participação de Lula no mensalão. Em pelo menos sete oportunidades, a inclusão do ex-presidente no rol dos acusados do mensalão não foi aceita tanto pelos investigadores quanto pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Mensalão: entenda o que está em julgamento Quem são os réus, as acusações e suas defesas Tudo sobre o mensalão

A representação do PPS e de parte do PSDB é composta principalmente por matérias jornalísticas. Para os integrantes da oposição, a intenção é que o Ministério Público investigue e ofereça nova denúncia ao STF. Eles entendem que a teoria do domínio do fato, em parte usada para condenar o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, também pode ser aplicada a Lula.

Nas revistas: o que Valério contou ao MP, e o que ainda resta contar Veja: Marcos Valério narra chantagem por silêncio sobre assassinato

O relator do mensalão no STF, Joaquim Barbosa, usou principalmente o depoimento do empresário Marcos Valério, da sua esposa Renilda Santiago e da ex-vice-presidenta do Banco Rural Kátia Rabello para pedir a condenação do ex-ministro por corrupção ativa e formação de quadrilha. A maior parte da corte acompanhou Joaquim, com exceção do revisor do processo, Ricardo Lewandowski, e de José Dias Toffoli.

“É fato público e notório que, à época dos fatos, existia uma íntima ligação política e pessoal entre o representado e o ex-Ministro da Casa Civil, o Sr. José Dirceu de Oliveira e Silva, entendido como o chefe da quadrilha pelo Supremo Tribunal Federal. Nesta perspectiva, indaga-se: a teoria do domínio do fato, que foi utilizada para a condenação do Sr. José Dirceu, não poderia ser aplicada – e com muito mais razão – ao chefe do próprio José Dirceu?”, diz a representação.

O texto é assinado pelo presidente do PPS, Roberto Freire (SP), pelo líder do partido na Câmara, Rubens Bueno (PR), e pelos tucanos Álvaro Dias (PR), líder do PSDB no Senado, pelo líder da minoria na Câmara, Antônio Carlos Mendes Thame (SP), e pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP). O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, vai analisar a representação e decidir se pede a abertura de inquérito ou arquiva o pedido. Não existe prazo para isso acontecer.

A última tentativa de inclusão de Lula no processo do mensalão foi feita pelo advogado Luiz Roberto  Barbosa, defensor do ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), por meio de uma  questão de ordem feita durante o julgamento da Ação Penal 470.  O pedido foi negado pelos ministros do STF. No ano passado, o procurador da República Manuel Pastana disse haver provas da responsabilidade do ex-presidente Lula no caso.

Deixe um comentário