Brasil  

ONU apela para que Brasil garanta manifestações pacíficas e investigue denúncias de violência e arbitrariedade

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília –  A Organização das Nações Unidas (ONU), por intermédio do escritório de direitos humanos da entidade, defendeu que o governo do Brasil adote as medidas necessárias para garantir a liberdade às manifestações no país. Em comunicado, o escritório recomendou a busca pelo diálogo, o fim da violência na repressão aos protestos e investigações sobre os casos de arbitrariedade.

O porta-voz do escritório de direitos humanos das Nações Unidas, Rupert Colville, elogiou a presidenta Dilma Rousseff por demonstrar compreender os anseios da sociedade. “Parabenizamos a declaração da presidenta Dilma Rousseff ao afirmar que as manifestações pacíficas são legítimas, bem como o acordo na segunda-feira [17] para que a polícia de São Paulo não use balas de borracha”, disse ele.

Porém, Colville disse estar preocupado com os relatos enviados ao escritório das Nações Unidas. Segundo ele, há relatos sobre danos, ferimentos, prisões e detenções e arbitrariedades. “Algumas organizações da sociedade civil têm também denunciado a arbitrariedade de algumas dessas detenções”, ressaltou ele, em entrevista coletiva, concedida em Genebra, na Suíça.

“Instamos todas as partes envolvidas para que se envolvam [na busca por] um diálogo aberto para encontrar soluções para o conflito e as alternativas para lidar com as demandas sociais legítimas, em como para evitar mais violência”, disse Colville.

No comunicado, a ONU diz que os protestos foram motivados pelo aumento dos preços das passagens dos transportes públicos, pelos gastos com a Copa Mundo de 2014 e as Olimpíadas do Rio em 2016. “Com mais protestos planejados, estamos, contudo, preocupados com o uso excessivo da força policial relatada nos últimos dias, [que] não deve ser repetida”, diz o texto.

Em seguida, Colville acrescentou que: “Apelamos ao governo do Brasil a tomar todas as medidas necessárias para garantir o direito de reunião pacífica e evitar o uso desproporcional da força durante os protestos. Também solicitamos às autoridades que realizem investigações imediatas, completas, independentes e imparciais sobre o alegado uso excessivo da força”.

Edição: José Romildo

Deixe um comentário

Um comentário para “ONU apela para que Brasil garanta manifestações pacíficas e investigue denúncias de violência e arbitrariedade”

  1. A ONU deveria denunciar o Lula, que doou nossos impostos a vários países, na intenção de ser um de seus mandatários!

    A ganância dos políticos brasileiros é cega, difícil de controlar. As empresas bancam a propaganda de corruptos e depois querem tirar nas costas da população!

    Alem de terem o maior salário do planeta, os políticos brasileiros exercessem vários cargos ao mesmo tempo; tem direito a bateladas de mordomias, e aposentadorias, duas férias por ano, décimo terceiro, décimo quarto, décimo quinto, com direito a vestimentas, verbas para combustível, verbas para moradia, cartão corporativo, e tem a “lei de imunidade e o foru privilegiado” para se acobertarem e roubarem, desviarem, superfaturarem a vontade!
    Não fossem estas discrepâncias; seriamos o país mais rico do universo em todos os sentidos!

    Vamos lutar pelo fim da imunidade e do foru privilegiado, só assim teremos uma verdadeira democracia e justiça social!

    Precisamos de renovações, com novos partidos e novos políticos!

    Quem luta por justiça, precisa saber que as atuais eleições não passam de enganações…

    O voto deveria ser facultativo! E toda a população deveria saber que o voto pertence ao partido e não ao candidato

    Esta é uma das formulas, quero dizer, maracutaia das raposas velhas, que pretendem permanecer no poder a qualquer custo; por isso, as alianças entre os partidos!

    Desta maneira, boa parte dos eleitores nem percebem que são obrigados a votar, e eleger sempre os mesmos corruptos!

    Abaixo-assinado pelo fim da imunidade e impunidade.
    http://www.peticaopublica.com.br/?pi=Janciron

    ESTE É O PRIMEIRO PASSO PARA TERMOS UM PAÍS DEMOCRÁTICO, COM DIREITOS IGUAIS E JUSTIÇA SOCIAL!