Saúde  

O perigo das dietas da moda

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Mauro Scharf, endocrinologista do Lâmina Medicina Diagnóstica/ DASA, explica os malefícios da ração humana e da dieta das papinhas de bebê.

Na esperança de perder peso rapidamente, um grupo enorme de pessoas acaba aderindo às dietas milagrosas da moda. Neste ano, a ração humana e a hollywoodiana dieta das papinhas de bebê parecem ser a bola da vez. Mauro Scharf, endocrinologista do Lâmina Medicina Diagnóstica/ DASA, faz um alerta sobre os perigos dessas duas tendências.

Segundo Scharf, ao contrário do que se prega, a ração humana não emagrece. Esta mistura de cereais integrais (trigo e aveia em flocos) e sementes (linhaça e gergelim), devido ao alto teor de fibras e gorduras, faz o intestino funcionar mais rapidamente. O médico afirma que estas fibras ajudam a dar uma maior sensação de saciedade, fazendo com que a fome demore mais tempo a aparecer. “Mas dizer que a ração humana emagrece é um erro, já que nenhum alimento por si só tem a capacidade de emagrecer. O que emagrece é uma alimentação com menor quantidade de calorias. Além disso, com a ração humana, algumas pessoas podem sofrer com a irritação na parede do intestino, prejudicando a absorção de nutrientes”, explica o especialista.

Já a dieta da papinha de bebê, recém-lançada entre as celebridades de Hollywood, consiste em ingerir 14 potinhos da papinha por dia, além de um jantar normal. Scharf lembra que, para emagrecer com saúde, é importante manter uma alimentação variada, contendo todos os nutrientes, cada um em sua porção adequada, e passar por uma reeducação alimentar. Cada grupo de alimentos tem seu número de calorias determinado, podendo ser distribuído seguindo a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS). As quantidades determinadas são: 50 a 60% do Valor Calórico Total – VCT – com carboidratos (frutas, legumes, pães, batata, macarrão, bolacha e farinhas), 10 a 15% do VCT com proteínas (feijão, soja, ervilha, carnes, ovos, leites e seus derivados) e 20 a 25% do VCT com gorduras (manteigas, azeites, creme de leite e frituras em geral).

 Scharf também recomenda que sejam feitas sempre pequenas e gradativas mudanças, já que uma dieta radical tende a provocar o destemido efeito sanfona. “E sempre procure, antes de iniciar uma dieta, um profissional de saúde especializado para que ele possa elaborar uma alimentação de acordo com suas necessidades”, finaliza o endocrinologista.

Deixe um comentário