O grito do Ipiranga de Genoino: eu renuncio!

Por Claudio Schamis – opiniaoenotícia.com.br

 

Covarde. COVARj-300x214DE, ficou melhor em caixa alta. Agora, me deixa respirar por alguns instantes para não escrever no calor da emoção. Pronto, já dei aquela respirada.
Era só o que faltava. Genoino agora quer ser uma espécie de D. Pedro I às avessas no dia do Não Fico: “Entre a humilhação e a ilegalidade, renuncio ao mandato”. Bravo, bravíssimo Genoino, seu covarde.

E com certeza esse ato de bravura será usado como uma coisa grandiosa, como falou seu irmão, José Guimarães em discurso na Câmara: “Meu irmão foi grandioso ao renunciar”.

É tão simples isso que eles fazem que poderia ser revisto e coibido de alguma forma. Não deveria ser permitido a nenhum político simplesmente renunciar para se safar da cassação e assim voltar todo serelepe nas próximas eleições, quando os eleitores já passaram pela auto-lavagem cerebral e esqueceram todo o passado podre do político. Essa saída já foi utilizada por vários políticos que fizeram justamente isso. Né não, Renan Calheiros?

A renúncia de Genoino nem me surpreende. Covardes são assim mesmo, sempre têm uma carta de renúncia na manga. E cá pra nós, tudo não passa de teatrinho pré-eleitoral. Tanto é verdade que mesmo tendo somente um integrante da oposição na Mesa entre os sete que votariam a favor ou não da abertura do processo de cassação, quatro já tinham votado a favor, ou seja, fizeram esse mise en scène todo porque já sabiam da carta. Estava no roteiro. Tudo para ficar bem na foto. Ridículo.

Mas, infelizmente, resta rezar para que não concedam a aposentadoria por invalidez a Genoino, que iria garantir um benefício equivalente ao subsídio integral do parlamentar, hoje fixado em R$ 26,7 mil. Caso ele não seja considerado inválido – pelo menos como politico ele o é – ele terá, de qualquer maneira, direito à sua aposentadoria proporcional por tempo de serviço,  solicitada em 2005 – fazer o que ele fez é prestar serviço? – porque ele tem pelos 26 anos de mandato cumprido, pelos quais contribuiu como parlamentar, tendo direito a pelo menos uma aposentadoria de R$ 20 mil. Ou seja, a discussão será por esses R$ 6,7 mil, que não é nada mal. Dá pra mim.

Renúncia à parte, é bom ficarmos de olho, pois Genoino está apostando todas as suas fichas agora no que ele chamou de tratamento “mais humanitário”, que segundo ele, é favorecido até por parte da opinião pública, que compreende a sua condição de pobre coitado doente. Genoino, me tira dessa. Por mim você volta pra cadeia e fica por lá recebendo o devido tratamento, mas nada de ficar no conforto do seu lar, com ar condicionado, TV a cabo, caviar e salmão. Aí, Barbosa, é nós.

E não se espantem quando os deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT), também condenados no julgamento, usarem esse subterfúgio.

É engraçado. Esses políticos falam da vergonha em ter o mandato cassado, mas não tiveram vergonha de fazer nada do que fizeram e os levaram a essa situação. Se bem que dá para entendê-los, em termos,  uma vez que nenhum deles fez nada. São todos farinhas inocentes do mesmo saco.

O presidente que virou suco!

presidentelaranja4.12-300x225Quer laranjada? Passa no Hotel Saint Peter!

Que babado, né? Ah, tá. Agora você vai querer me convencer de que nada disso cheirava mal? Vai dizer que você achava natural que o gerente administrativo do hotel ganhasse R$ 20 mil, enquanto que a gerente geral apenas R$ 1,8 mil?

Tinha laranja nesse hotel, já que lá não devem servir angu com caroço. E pasmem, ou não pasmem, pois o presidente da empresa, que é sócio majoritário do hotel onde Dirceu quer trabalhar e ganhar quase como um deputado é um auxiliar de escritório do Panamá que trabalha há 30 anos numa empresa de advocacia, se chama (também) José (José Eugenio Silva Ritter), mora num bairro pobre e é também sócio de mais de mil outras empresas, pelo menos no papel. Mas é.

Pelo amor de Deus, aí tem. E tem muito mais coisa. Se começarmos a cavar é capaz de cairmos no Mar do Caribe.

O que mais me intriga é esse envolvimento do Paulo Masci de Abreu, o administrador de fato do empreendimento, que é homem de uma cota só. Ele é irmão de (olha aí, mais um José) José Masci de Abreu, que vem a ser o presidente do PTN (Partido Trabalhista Nacional), que apoiou a campanha de Dilma. Por outro lado, a advogada de Paulo Masci de Abreu disse que a sócia majoritária da Truston Internacional é na verdade, a nora de Paulo, a empresária Lara Severino Vargas, que segunda-feira vendeu a Paulo Masci o controle acionário do hotel. Disse também que ele é dono de 60% do prédio onde está o hotel e que os outros 40% são de Paulo Naya, filho do ex-deputado Sérgio Naya, aquele mesmo, e que construiu o hotel. Ou seja, é um novelo de lã que se desenrolar, sei não.

Só tenho pena do Carlos Drummond de Andrade, que com tantos Josés envolvidos deve estar triste com a poesia. E agora, José?

Siga os passos fielmente e consiga sua independência financeira

PLANO-CARR-300x218Plano de Carreira!

Estreio aqui o quadro Dicas de como se tornar um político profissional com “p”minúsculo. É muito simples. São alguns passos. Tipo AA. Anota aí. Você se filia a um partido. Se candidata. Se elege. Começa a roubar dinheiro público. É condenado. Nega sempre e se diz inocente. Chora (é legal chorar, atrai a simpatia das mulheres). É condenado. Renuncia. Em paralelo arruma alguma doença cardíaca. Pede para se aposentar por invalidez para ganhar o salário integral de um deputado e para garantir o caviar, poder arrotar salmão e fazer xixi de champanhe.

Ah, como eu queria falar certas coisas, mas que não caberiam em poucas palavras e nem seriam muito elegantes.

Deixe um comentário