Brasil  

Novo delator da Lava Jato diz ter pago propina a José Dirceu

.
Do Congresso em Foco
.
Lava JatoMais novo delator da Operação Lava Jato, o lobista Milton Pascowitch relatou a investigadores da força-tarefa que intermediou pagamento de propina ao PT e ao ex-ministro José Dirceu para garantir contratos da empreiteira Engevix com a Petrobras. Segundo Pascowitch, Dirceu passou a receber pagamentos e favores em troca de ter se tornado uma espécie de “padrinho” da empreiteira. As informações são da Folha de S.Paulo.

Os pedidos de dinheiro do petista eram “insistentes” e os repasses eram feitos de formas diversas, segundo declarações de Pascowitch. O lobista contou que, em uma das operações, fez uma doação a arquiteta que reformou um dos imóveis de Dirceu.

O depoimento foi dado em acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, homologado na segunda-feira (29). Como parte do trato, o lobista saiu da carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, onde estava desde maio, e passou a cumprir prisão domiciliar, em São Paulo.

Pascowitch também contou que o esquema de repasse de propinas na diretoria de Serviços da Petrobras começou com a nomeação de Renato Duque, em 2003, com o aval de Dirceu, então ministro da Casa Civil.

O lobista diz ter começado a distribuir o suborno a partir de 2008, após a entrada da Engevix no projeto Cabiúnas, obra que visava aumentar a capacidade do complexo de terminais que escoa parte do óleo da Bacia de Campos, no Rio. Segundo ele, uma parte das receitas da Engevix em contratos com a diretoria de Serviços era transferida para Duque, que depois se encarregava de redistribuí-la ao PT.

O ex-ministro José Dirceu afirmou, por meio de nota ao jornal, que sua defesa não teve acesso aos termos e ao conteúdo da delação premiada do lobista Milton Pascowitch e que, portanto, não teria como emitir opiniões a respeito.

Dirceu ainda disse que “não teve qualquer influência na indicação de Renato Duque para a diretoria da Petrobras, informação reafirmada pelo próprio Duque em depoimento em juízo e à CPI da Petrobras”.

A assessoria de imprensa do PT informou que não se pronunciaria sobre as acusações feitas pelo lobista Milton Pascowitch no âmbito do acordo de delação premiada. O partido tem repetido que só recebe doações legais e registradas.

O advogado da Engevix, Antônio Sérgio Pitombo, não quis comentar.

Confira íntegra da reportagem da Folha de S.Paulo.

Mais informações sobre Operação Lava Jato

Deixe um comentário