Nasa promete se aproximar do Sol até 2018

Fonte: opiniaoenoticia.com.brSonda Solar Probe Plus será lançada para a atmosfera do astro, a cerca de 6,4 km da sua superfície.

Pela primeira vez, cientistas serão capazes de estudar o Sol a partir de sua atmosfera, um dos poucos lugares para os quais o homem ainda não conseguiu enviar naves espaciais. A Nasa anunciou estar desenvolvendo uma sonda capaz de chegar a 6,4 milhões de quilômetros da superfície do astro e assim tentar explicar, entre outros mistérios, por que a atmosfera do Sol é 200 vezes mais quente que sua superfície visível.

O lançamento da nave não-tripulada Solar Probe Plus está previsto para 2018. O projeto custará em torno de US$ 180 milhões.

Para suportar a temperatura e a radiação do Sol, a sonda será protegida por um escudo anticalor feito de um novo composto de carbono resistente a temperaturas de mais de 1.400 graus Celsius. A nave será equipada com instrumentos de ultima geração, entre eles um detector de partículas de vento solar, um dispositivo para medir campos magnéticos e um telescópio que capta imagens 3D.

“As experiências selecionadas para o Solar Probe Plus responderão a duas perguntas-chave da física solar: por que a atmosfera do Sol é mais quente do que a sua superfície visível, e o que o empurra o vento solar que atinge a Terra e o sistema solar”, explicou à BBC Dick Fisher, diretor do Departamento de Heliofísica da NASA. “Nós temos confrontado estas questões por décadas e esta missão deve finalmente nos trazer as respostas”.

O desenvolvimento da sonda Solar Probe Plus tem estado no topo da lista de prioridades da Nasa há mais de 50 anos, mas até recentemente os problemas técnicos ultrapassavam o orçamento disponível para resolvê-los.

Além de responder a algumas questões básicas da ciência, as informações recolhidas pela sonda poderão ter impactos práticos, ajudando, por exemplo, a melhorar as previsões do clima espacial. As tempestades solares e as perturbações magnéticas do Sol podem atrapalhar o funcionamento de satélites assim como a transmissão de frequências de rádio.

Deixe um comentário