Merval diz também ter sido atacado por “marginais”

.
Fonte: Brasil247
:
images_cms-image-000386605

.
Um dia depois de Miriam Leitão denunciar uma “política de estado” contra a chamada imprensa livre no País, seu colega Merval Pereira, no Globo, diz também ter sido atacado por “marginais” ligados ao PT; dados de sua página na Wikipédia foram alterados a partir de um vazamento no Wikileaks; Merval se refere a um telegrama do serviço diplomático dos Estados Unidos que vazou na internet, revelando seu encontro com o cônsul americano; ele relatava que Merval, próximo ao PSDB, agiria para garantir o apoio de Aécio Neves a José Serra nas eleições de 2010; no mesmo lote de telegramas, Diogo Mainardi também confidenciou que uma coluna em Veja, sobre uma chapa dos sonhos de Serra naquele ano, havia sido sugerida pelo candidato tucano; vazamentos colocaram em xeque isenção de ambos; em carta ao 247, Merval contesta as informações

Um dia depois de Miriam Leitão denunciar uma “política de estado” contra a imprensa livre no País (leia mais aqui), seu colega Merval Pereira, do Globo, decidiu também entrar na briga.

Em artigo publicado neste domingo (“Aloprados fazem o diabo”), Merval diz também ter sido atacado por “marginais”. Ele se refere a uma alteração na sua página na Wikipédia em 2011, quando vazaram, no Wikileaks, telegramas do governo americano de 2010, ano em que Dilma Rousseff se elegeu contra José Serra.

 

Eis o que diz Merval neste domingo:

Em 29 de outubro de 2011 esses marginais entraram na minha página na Wikipédia para incluir uma suposta notícia de que eu havia sido identificado pelo Wikileaks como informante do governo dos Estados Unidos, juntamente com outros jornalistas.

Na verdade, o Wikileaks havia divulgado uma série de telegramas do embaixador dos Estados Unidos, entre os quais relatos de encontros que mantivera comigo e com outros jornalistas, onde conversamos sobre diversos assuntos, inclusive as eleições presidenciais de 2010. Nada do que disse naquele encontro diferia do que escrevi nas minhas colunas naquela ocasião, nenhum segredo havia para ser informado.

O encontro de jornalistas com diplomatas estrangeiros é o que há de mais normal no mundo todo, e essa troca de opiniões faz parte de um relacionamento profissional que apenas mentes pervertidas, ou a soldo, podem transformar em uma atividade de espionagem.

Na realidade, os telegramas americanos revelam que Merval se envolveu numa costura política dentro das hostes tucanas. Em 2010, quando Dilma Rousseff derrotou José Serra, Merval, próximo ao PSDB, procurou o então senador Aécio Neves para tentar convencê-lo a apoiar a candidatura do ex-governador de São Paulo (leia aqui). Em 12 de janeiro de 2010, foi a vez de Diogo Mainardi, então em Veja, reunir-se também com o cônsul americano. Segundo o telegrama do Wikileaks, Mainardi relatara ao diplomata que uma de suas mais recentes colunas, sobre uma eventual chapa Serra-Marina, havia sido fruto de um pedido de Serra.

Na coluna “A chapa cabocla” (leia aqui), Mainardi, de fato, tenta atender ao pedido de Serra. “Marina Silva, por outro lado, como candidata a vice-presidente poderia dar um sentido prático à sua plataforma ambiental, coordenando essa área no futuro governo José Serra. Reinaldo Azevedo, em seu blog na Veja on-line, disse que Marina Silva, mais do que candidata a presidente, é candidata a santa. Cruzei com ela recentemente e confirmo: ela levita. Elegendo-se na chapa de José Serra, ela teria a possibilidade de, finalmente, voltar a pisar no chão”, diz ele.

O caso citado por Merval, portanto, revela apenas que sua atuação jornalística tem também um componente político, não revelado aos leitores. Aliás, ao invés de ajudar Miriam Leitão, vítima de uma conduta “inadmissível” por parte de algum servidor do Palácio do Planalto, como disse a própria presidente Dilma Rousseff, a coluna de Merval apenas reforça a percepção de que parte do colunismo nacional tem uma agenda partidária não declarada, que, às vezes, vaza no Wikileaks.

 

Em carta ao 247, enviada na tarde deste domingo, Merval contesta as informações. Leia abaixo:

Ao diretor do Brasil 24/7 Leonardo Attuch

 

Acabo de ler no seu blog que os telegramas do Wikileaks revelam que eu estaria empenhado em manobras políticas para fazer de Aécio Neves vice-presidente na chapa de José Serra em 2010. Não é verdade, em nenhum momento os telegramas do cônsul dos Estados Unidos dizem isso, e fazer essa ilação é má-fé. A referência à conversa comigo é a seguinte:

 

É a mesma opinião de Merval Pereira, colunista do jornal O Globo, o maior do Rio de Janeiro, que se reuniu com o Cônsul dia 21/1. Pereira disse ao cônsul que tivera uma conversa com Neves na véspera, na qual Neves dissera estar “firmemente comprometido” a ajudar Serra fosse como fosse, inclusive como vice-presidente, na mesma chapa.

Como escrevi hoje, nada do que disse ao diplomata americano deixou de ser publicado, tanto é que na véspera do encontro, em 20/1/2010, escrevi uma coluna revelando que o Aécio estaria disposto a ser vice de Serra. O nome da coluna é “Forjando a união” e termina assim: “Nesses termos, se a continuidade da campanha eleitoral demonstrar que a presença de Aécio Neves na chapa do PSDB é mais interessante para o projeto nacional do partido do que sua candidatura ao Senado, ele terá condições de rever sua posição. Mais uma vez, como na renúncia à pré-candidatura, ele será o senhor da decisão, em uma estratégia de convergência de interesses, e não de divisão”. Peço, portanto, que faça uma corrreção no texto do blog Brasil 24/7 que está no ar.

Merval Pereira

Deixe um comentário