Mensalão: agora vai?

Por Claudio Schamis – opiniaoenoticia.com.br

O ex-ministro, que ainda se acha o todo poderoso – como pode isso, né? – José Dirceu, e que continua cuspindo na cara do Brasil, dizendo que o Brasil sabe que ele é inocente, pode ter uma grande decepção na sua vida antes do Natal. Tomara, meu Deus, tomara!

O que Dirceu não percebeu é que ele fala de um Brasil e nós falamos de outro. O Brasil de Dirceu, que é também o de Genoino, Renan, Sarney, Lula e de tantos outros dessa laia, é aquele em que se faz o que se quer e ninguém paga nada, muito pelo contrário, nós é que pagamos. Já o nosso Brasil é aquele da esperança de que um dia vai. É aquele que, a partir do episódio do mensalão, pode vir a ser um país melhor, onde fazendo algo o pagamento virá. Em muitos casos. Em outros não. Infelizmente. É a tal coisa, não se pode ganhar todas. E é claro, temos a consciência de que esse nosso Brasil não é e nunca será um país livre de corrupção, de políticos corruptos, mas um país de respeito e que pune de forma correta aqueles que são pegos na curva com a cueca cheia de dinheiro desviado, dobrando a esquina.

Agora é com a turma do STF!

 

E podemos dizer que demos mais um passo para isso. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou – antes tarde do que nunca! – o seu pedido para que seja executada imediatamente – e finalmente – a pena dos condenados no processo do mensalão. E eu concordo plenamente com o pensamento dele. Segundo Janot, os réus poderiam já começar a pagar suas penas, uma vez que, já condenados, a única coisa que poderia acontecer seria que a pena fosse reduzida no quesito tempo, mas mesmo assim a pena está lá para ser executada e cumprida. Por exemplo, Dirceu, que foi condenado a dez anos e dez meses de reclusão, pode ter a pena reduzida para sete anos e 11 meses caso os seus embargos sejam aceitos. Mas isso não o isentaria de ir para a prisão. Então, não é melhor começar a pagar logo? Pensa bem, quanto mais rápido entrar, mais rápido vai sair. Pense que, se Dirceu entrar hoje ele poderá assistir os Jogos Olímpicos de 2024 em liberdade. Não é o máximo isso?

O problema é que Dirceu é uma figura emblemática e exerce todo um simbolismo nessa história do mensalão. Só faltou fazerem ele de mascote do mensalão. Ainda mais quando, mesmo depois de comprovada a sua culpa, ele ainda arrota que é inocente, aparece tomando champanhe e passando fins de semana com sua namorada bonitona em hotéis de luxo, resorts e com a cara mais lavada, sorrindo para quem quiser ver e até para os que não querem ver. E sem falar da sua ameaça em recorrer à Corte Interamericana de Direitos Humanos. E os nossos direitos? Ou não somos humanos (também)?

 

Eu arriscaria dizer que, quando as câmeras de televisão mostrarem Dirceu algemado entrando no Complexo Penitenciário, vai ser uma imagem tão forte como a do homem pisando na Lua. O significado disso para nós será tremendo, assim como para os políticos que ainda pretendem seguir na carreira da ladroagem. Que sirva de alerta. Ou de incentivo. Vai que eles começam a mudar de conduta e com isso incorporam o verdadeiro papel que um político deve ter como nosso representante e não apenas representando a si mesmo.

No Superior Tribunal Federal (STF) dois ministros já defenderam a tese de Janot: Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello. Dizem por aí que Joaquim Barbosa, o presidente do STF, também concorda com ela. Santo Joaquim! E claro, santos Gilmar e Marco Aurélio! Mas do outro lado ainda há quem queira que a execução das penas se dê apenas depois do julgamento dos infringentes, aguardada para 2014. Ou seja, querem dar mais vida àqueles réus condenados, mesmo aqueles que não deixarão de ser condenados, apenas podem ter parte da pena reduzida. Não é Lewandowski? Não é Dias Toffoli?

Mas pra que isso? Pra que adiar o sofrimento? Melhor seria vê-los presos antes do Natal. Vai que Papai Noel aparece!

Não sou advogado – talvez uns me considerem um do diabo –, mas não é preciso ser um para entender que com ou sem os embargos pouca coisa vai mudar. Para o pai do mensalão, José Dirceu, a única coisa que poderá – eu disse poderá– mudar é caso ele seja absolvido da condenação de formação de quadrilha. Nesse caso, em vez de ficar em regime fechado ele ficaria no semiaberto, onde poderá sair para trabalhar, tendo que voltar somente para dormir na cadeia. Portanto, não muda muita coisa, a pena está aí para ser cumprida. E com relação aos outros condenados a linha de raciocínio é a mesma. Pra que esperar que eles sejam trancafiados se, querendo ou não, terão que pagar sua dívida à sociedade? Ou vai me dizer que alguns ministros já estão dando o indulto de Natal antecipado aos condenados? Faça-me o favor.

E se me perguntasse o que eu gostaria de presente de Natal, é simples: aproveitar a campanha de lixo zero nas ruas, para tirar o lixo também de Brasília. Em outras palavras, ver todos os condenados do mensalão presos.

Chega de guardar o lixo debaixo do tapete.

Joaquim Barbosa para presidente e Rodrigo Janot para vice. Isso sim seria uma chapa quente. VOTE JJ!!

Salve as baleias. Não jogue lixo no chão. Não fume em ambientes fechados.

Deixe um comentário