Mais de 80% dos que têm acesso à Internet estão em relacionamentos, diz pesquisa

Redação Portal IMPRENSA

Pessoas com acesso à Internet em casa estão mais propensas a terem relacionamentos amorosos, afirma uma pesquisa da universidade norte-americana de Stanford. 

Segundo o levantamento, que consultou mais de quatro mil pessoas em 2009, 82% dos que têm acesso à Internet em casa também tinham um cônjuge ou parceiro romântico. Dos que não tinham, cerca de 62% estavam em um relacionamento.

A justificativa está no fato das pessoas passarem cada vez mais tempo conectadas. De acordo com o estudo, web será muito importante para unir pessoas do mesmo sexo e, em breve, pode substituir os amigos como a primeira maneira utilizada pelos norte-americanos para conhecer parceiros.

“Embora pesquisas anteriores sobre o impacto social do uso da Internet revelaram-se ambíguas sobre o custo social do tempo gasto online, nossa pesquisa sugere que o acesso à Internet tem um papel importante a exercer ajudando os americanos a encontrarem parceiros”, disse Michael Rosenfeld, professor associado de sociologia, informa a agência Reuters.

Na opinião dos pesquisadores Rosenfeld e Reuben Thomas, da City University de Nova York, a importância da Internet na aproximação afetiva já não é uma projeção.

“É possível que nos próximos anos a Internet ofusque os amigos como a forma mais influente de os americanos conhecerem seus parceiros românticos, destronando os amigos da primeira posição pela primeira vez desde o começo dos anos 1940”, afirmou Rosenfeld.

Os pesquisadores concluíram também que a Internet é ainda mais importante para encontrar possíveis parceiros em grupos em que a oferta é restrita ou de difícil identificação, como nas comunidades gays, lésbicas e de heterossexuais de meia-idade.

Dos casais que se conheceram por intermédio da web, 61% eram do mesmo sexo e 21,5% heterossexuais. “Os casais que se conhecem online têm uma probabilidade maior de serem casais do mesmo sexo e de alguma forma de formações religiosas diferentes”, disse Rosenfeld.

Deixe um comentário