Brasil  

Maior dono do Pré-Sal: Exxon

No jornal Valor Econômico da última sexta-feira, caderno Legislação, página E2, há um artigo de dois advogados que militam na área de petróleo. De lá extraio a seguinte frase – “Recentemente, foram divulgados os resultados atualizados das pesquisas que vêm sendo realizadas no bloco BM-S-2, onde foi prfurado o poço Azulão operado pela Exxon, em consórcio com a Hess e a Petrobrás. Os números causaram euforia no setor. Caso sejam confirmadas as estimativas de reservas entre cinco e dez bilhões de barris, que desbancariam inclusive as reservas de Tupi, a Exxon, maior companhia privada de exploração de petróleo do mundo, se confirmaria como a operadora do projeto com a maior reserva estimada no pré-sal até o momento.”
Trata-se do poço “Azulão”, na Bacia de Santos, onde a Petrobrás tem apenas 20% do empreendimento. Primeiro, a Petrobrás descobriu o poço de Tupi, dando início à sensacional descoberta do pré-sal. Após, vieram Iara, Júpiter, Parati, Caramba, Guará, Carioca e Bem-te-vi.
E aí, no mesmo pré-sal já pesquisado pela Petrobrás, é “descoberto” um novo poço. Só que esse poço é o maior do Pré-Sal.
Significa dizer: “o maior poço do Pré-Sal do mundo não é brasileiro” .  Não obtive, ainda, a informação quanto ao leilão da ANP que vendeu esse poço. Já faz alguns anos, provavelmente no ano de 2002.
Pois bem: foi divulgado, agora, que a Bolívia é dona de mais de 50% do Lítio do mundo. E o Lítio está tendo uma demanda muito grande: é a matéria-prima para a fabricação de baterias. Isso tanto para celulares, notebooks, quanto para carros elétricos, cuja fabricação está sendo fortemente impulsionada por Obama.
E aí a imprensa divulga neste fim de semana: “metade do Lítio está na mão do louco do Morales”. Sabe por que ele é louco? Porque não vai fazer o que foi feito aqui no Brasil com o petróleo.
Ou seja, Morales é chamado de louco porque está querendo preservar a riqueza do seu País, negociar de forma soberana uma riqueza que a Bolívia dispõe. O mundo precisa, assim como precisa do petróleo. E a Bolívia tem condições de barganhar o preço da sua matéria-prima, da sua riqueza, já que mantém mais da metade das reservas do mundo, e fazer com que isso reverta em favor daquele povo miserável.
Comparece o que o Brasil fez com o petróleo e o que a Bolívia está fazendo com o Lítio. E aí descubra os motivos pelos quais a imprensa busca ridiculizar o “índio”.

Castagna Maia – Advogado

Deixe um comentário