Licitação suspensa deixa Renan sem comida em casa

Fonte: opiniaenoticia.com.br

Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB) está sendo obrigado a comer em restaurantes e na casa de amigos desde o início deste mês, quando uma licitação superfaturada de compra de alimentos para sua residência oficial em Brasília foi suspensa.

Com um custo semestral de R$ 98 mil, a licitação previa iguarias como 25 quilos de camarão vermelho grande, 20 quilos de frutos do mar, 1,7 tonelada de 33 tipos diferentes de carnes, sendo 100 quilos de filé mignon, além de arroz e feijão. Tudo para abastecer Renan, sua esposa Verônica Calheiros e seus dois filhos.

A assessoria de Renan admitiu que a licitação estava superfaturada e será redimensionada para reduzir custos. “A licitação vai ser redimensionada para eliminar itens superfaturados e supérfluos. Também vai haver corte na quantidade de camarão e outros itens. A ideia é cortar mais da metade do custo antes previsto e adequar as quantidades apenas para o presidente e sua esposa. Os servidores não mais farão suas refeições no local, porque recebem ticket alimentação”, informou a assessoria.

Fartura

O objetivo do pregão suspenso era permitir que Renan e sua família pudessem fazer muitos churrascos para amigos e convidados na residência oficial. Para isso, seriam encomendados 50 quilos de picanha, 54 quilos de linguiça, 50 quilos de carvão, 160 quilos de pão francês, além de 20 quilos de salmão e 55 quilos de queijos variados.

Embora claramente superfaturados, os gastos com alimentação de Renan ainda são “modestos” se comparados com os do ex-presidente do Senado José Sarney e os do governador do Ceará,  Cid Gomes (PSB).

Apesar de não ocupar a residência oficial durante seu mandato no Senado, Sarney gastava cerca de R$ 290 mil pagos pela Casa para abastecer sua residência. Já Cid Gomes, contratou um buffet de 3,4 milhões para abastecer seu gabinete e a cozinha de sua residência oficial, episódio que ficou conhecido como “Caviargate”. Entre os itens previstos no contrato estavam o que há de mais fino na culinária internacional. Cid reclamou, mas se comprometeu a cortar do cardápio todos os pratos com nome de iguarias sofisticadas, o que não implicou na redução do custo do buffet.

Deixe um comentário