Saúde  

Justiça permite que médicos cobrem adicional de clientes de planos de saúde

Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A 4ª Vara Federal, em Brasília, suspendeu hoje (19) a decisão da Secretaria de Direito Econômico (SDE) do Ministério da Justiça que proibia os médicos de fazer cobranças adicionais por consultas a clientes de planos de saúde.

No dia 9, a SDE proibiu os médicos credenciados de cobrar por consultas e serviços com base na tabela elaborada pela própria categoria, a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), que prevê valores acima dos pagos pelos planos de saúde. Para a secretaria, a tabela fere a ampla concorrência e o direito dos usuários dos planos.

A SDE alega ainda que o Conselho Federal de Medicina (CFM) e outras entidades médicas têm promovido paralisações, como a que ocorreu no dia 7 de abril, e descredenciamento em massa dos profissionais para forçar as operadoras a reajustar os valores pagos por consultas e exames. Ainda de acordo com o órgão, as entidades punem os médicos que não aderem ao movimento.

Por meio de nota, o Conselho Federal de Medicina (CFM) considerou a decisão da Justiça uma importante vitória. A entidade defende que a adesão dos médicos ao movimento é facultativa e que não há aplicação de sanções.

Edição: Vinicius Doria

Deixe um comentário

Um comentário para “Justiça permite que médicos cobrem adicional de clientes de planos de saúde”

  1. ? Érika disse:

    Pagam-se impostos (sem usufrir dos benefícios dos serviços de saúde pública), os planos de saúde privados e agora um adicional aos médicos. É justo que pese no bolso do cidadão um acordo que deveria se resolver entre as instituições particulares, governo e profissionais da área? Classes estas de elevado poder econômico, como se sabe, a fim de elevar seus rendimentos ás custas da classe média, como sempre.