José Dirceu e nosso um minuto de silêncio!

.
Por Claudio Schamis
.
DirceuFaçamos nossa homenagem a esse brilhante vice-chefe da maior quadrilha atuante em nosso país que acaba de perder – mais uma vez – a sua vice-majestade.

É, José Dirceu está preso! E ao fundo ouvimos um longo e sofrido “ohhhhhhhhhh” vindo do fundo da alma dos militantes petistas e que já estão em vigila pelo pronto restabelecimento emocional desse “herói” que roubava dos desavisados para dar aos seus pares e para consumo próprio também. Tipo um Robin Hood tupiniquim dos tempos modernos e outros conceitos. Mas sem pudor e não é preciso nem falar, caráter.

Acabou-se por ora o que era doce. Doce para eles e bem amargo para nós. E nem é preciso dizer que de tão doce formou-se crateras de cáries espalhadas por onde ele e sua trupe passavam. E mesmo assim todos eram só sorrisos. “Enganamos mais uns trouxas”. No caso nós. Não TODOS nós. Mas, nós. Tenho certeza que pegou o espírito da coisa.

E se ainda era possível se chocar mais, eles conseguiram.

O esquema era de um profissionalismo de fazer inveja aos mais renomados contraventores que o mundo teve notícia. E que segundo as investigações vinha sendo executado com maestria desde a criação do mensalão.

Agora, pensa comigo. José Dirceu que foi condenado pelo mensalão por 7 anos e 11 meses não se fez de rogado. “Aceitou” a sua condenação com hombridade, punho cerrado e braço levantado avisando que “a luta continua” companheiros. E continuou. Mesmo com ele preso a coisa já estava rolando solta funcionando como um relógio suíço. Ele nem precisava comandar da cadeia como fazem nossos traficantes presos. Não era preciso mandar recado para passar o bonde. O bonde já estava passando enquanto José Dirceu passava uma temporada na Papuda se recuperando do trauma de ter sido pego de calças curtas. Mas no fundo ele sabia que iria conseguir diminuir ainda mais sua pena por bom comportamento e por dias trabalhados numa biblioteca do escritório de advocacia de um amigo. Só um amigo para dar emprego a um mestre dos esquemas.

A coisa era tão podre e tão rica que tinham que inventar maneiras de se gastar tanto dinheiro. Uma reforma de apartamento aqui, uma reforma de uma casa acolá, um apartamento para a filha aqui, um para seu irmão ali – era até uma obrigação se criar um patrimônio para a família quando ele (Dirceu) não estiver mais nessa vida. Nesse plano. Afinal, quem iria olhar por eles depois? Imagina a filha de Dirceu, ou o seu irmão terem que trabalhar – e ainda mais perto do Dia dos Pais é totalmente compreensível. E acho até “digno” essa preocupação de um pai como Dirceu que além de seus filhos biológicos ainda se preocupa com seus outros filhos.

Quem não gostaria de ter um pai assim? Um irmão assim? Vida longa a esse cara que mostrou ao Brasil e ao mundo como se faz uma limonada suíça com muitos limões.

José Dirceu e mais um minuto de silencio! Pô, ele merece!

Não podemos só culpar Dirceu. A coisa estava vindo redondinha como se diz. E já há treze anos. Vocês vão ter que me engolir. E todos estavam engolindo. Olhávamos e não víamos nada de ruim. Víamos, ou melhor, viam um homem poderoso, um ex-guerrilheiro, um mito, o segundo homem de um partido surgido em 1980. Um partido que iria representar os trabalhadores em sua luta inglória por mais direitos e por uma representatividade forte na figura de Lula.

E na vida nada é por acaso. E com o Petrolão foi assim. Numa investigação da Polícia Federal sobre lavagem de dinheiro, chegou-se a um carro importado dado de presente pelo doleiro Alberto Youssef ao então diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

E foi aí que a casa caiu. Casa não. Mansão.

Nem foi um problema de ganância. Ou de terem aparecido mais pessoas para a quantidade de tetas de onde eles estavam mamando. Foi por um erro bobo. Agora talvez todos aprenderam a lição de que dar carro importado de presente para diretor de empresa do governo pode ser prejudicial para a saúde. Se fosse um nacional talvez nem chamasse a atenção. Agora já sabe, cuidado com o presente que você vai dar no próximo Natal.

E agora que para eles do PT a prisão e esse “novo” envolvimento de Dirceu é algo estritamente pessoal, eles estão tirando o corpo fora. Lembra muito a “Escolha de Sofia” e com toda a certeza a escolha do PT será a de preservar como puder Lula. Em outras palavras José Dirceu irá para o abate. Agora ele está por sua conta e risco.

Só lembro que se depois do próximo julgamento houver uma multa para José Dirceu pagar, não caiam nessa historinha de se fazer uma vaquinha – como foi feito com a multa do mensalão, quando disseram que Dirceu não tinha recursos para pagar – para que Dirceu pague uma possível multa. Não tem dinheiro? Vende os apartamentos comprados com esse dinheiro da propina. E que depois os filhos de Dirceu se for o caso entrem no Programa Minha Casa Minha Vida.

E que aproveitemos esse outro minuto de silêncio para refletir, e orar. Orar para que agora os homens de preto consigam ver que esse esquema é sim uma quadrilha, e que toda a quadrilha tem um líder. E que nem todo líder que se apresenta como tal é na verdade o líder. E que se tenha peito suficiente para acabar de vez com essa proteção ridícula que fazem quando se toca no nome de Lula. Acredito que com as lentes corretas será possível fazer finalmente a ligação do esquema Mensalão-Dirceu-Lula-Dilma-Petrolão. E acabar de vez com essa coisa de que Lula é o cara. E que a Dilma é também o cara. Se bem que a popularidade de Dilma está aquém dela ser considerada o cara. No máximo talvez, ela possa ser a coroa.

Façamos com que a (outra) coroa seja ceifada de uma vez por todas da cabeça de Lula e que iniciemos um novo reinado. Nem que seja somente em 2018. Mas que seja novo.

Acho que agora mais pessoas viram que já deu. E podem acreditar que o (também) mito Lula é apenas uma ilusão do que cada de vocês – militantes petistas – queria que ele fosse de verdade.

Só não vou falar perdeu playboy, pois nessa história não perderam somente um grupo de pessoas, perdeu-se o Brasil.

Salve as baleias. Não jogue lixo no chão. Não fume em ambientes fechados.

Deixe um comentário