João Santana diz que Dilma o orientou a ficar o máximo de tempo, por cautela, fora do país

Segundo o delator, a petista argumentou que os altos valores oficiais da campanha poderiam ser usados como argumento de defesa. Por via das dúvidas, recomendou que “João Santana e Mônica Moura, que estavam intensificando suas atividades no exterior, permanecessem, o tempo que pudessem, por cautela, fora do país”.

Deixe um comentário