Mundo  

Já passam de 300 o números de pessoas em poder dos sequestradores somalianos

Navios cargueiros, iates, porta containers, rebocadores e barcos de pesca,  são alguns  dos tipos de embarcações aprisionadas

Os piratas que ontem capturaram dois novos navios na costa da Somália têm em sua posse 18 navios estrangeiros de vários tipos e perto de três centenas de tripulantes, segundo uma contagem da organização Ecoterra International, ontem citada pela AFP.
O recorde de tempo de cativeiro é dos 11 nigerianos do rebocador Yenegoa Ocean, que estão nas mãos dos piratas da Somália há oito meses e meio. Os homens armados têm por hábito levar as suas vítimas para aos portos de Eyl, Hobyo e Harardhere, para que estejam longe das missões de combate à pirataria que operam no golfo de Adém e no Índico.
O maior grupo de tripulantes reféns é filipino, no total de 121. Vários países, como Itália ou Ucrânia, têm tripulantes sequestrados. Em  alguns casos os sequestradores somalianos optam pelo pagamento de um resgate,  em outros casos os países  de origem dos sequestrados enviam comandos militares para matar ou prender os piratas e resgatar os tripulantes com vida.

Os navios aprisionados são iates, navios de pesca, cargueiros, rebocadores e porta containers. Na semana passada os piratas sequestraram o porta containers americano Maersk Alabama, obrigando os Estados Unidos a lançar uma operação militar para resgatar o capitão da embarcação., o que resultou na morte de três piratas e na prisão de um outro. Esse episódio fez o Presidente Obama repensar a estratégia de combate à pirataria. Ontem, os piratas sequestraram mais dois navios, um grego e outro libanês. Um terceiro conseguiu escapar.

Deixe um comentário