Intelectuais divulgam manifesto pró-Dilma e criticam Serra

Fonte: votebrasil.com

A nota, assinada por professores universitários, intelectuais e juristas conhecidos como Antônio Cândido, Fábio Konder Comparato, Marilena Chauí e Alfredo Bosi, busca assinaturas de outros profissionais da área contra o que chama de “propostas e os métodos…

Professores universitários, educadores e pesquisadores lançaram um manifesto nesta terça-feira (19) onde defendem “a educação pública” e atacam o candidato do PSDB à presidência, José Serra.

A nota, assinada por professores universitários, intelectuais e juristas conhecidos como Antônio Cândido, Fábio Konder Comparato, Marilena Chauí e Alfredo Bosi, busca assinaturas de outros profissionais da área contra o que chama de “propostas e os métodos políticos da candidatura Serra”.

“Nós, professores universitários, consideramos um retrocesso as propostas e os métodos políticos da candidatura Serra. Seu histórico como governante preocupa todos que acreditam que os rumos do sistema educacional e a defesa de princípios democráticos são vitais ao futuro do país”, diz a nota.

Segundo os professores, diante das reivindicações por melhores condições de trabalho, “Serra costuma afirmar que não passam de manifestação de interesses corporativos e sindicais, de tró-ló-ló de grupos políticos que querem desestabilizá-lo”.

Os professores citam incidentes que aconteceram durante a gestão de Serra em São Paulo, como a greve na Universidade de São Paulo, “invadida por policiais armados com metralhadoras, atirando bombas de gás lacrimogêneo”, em junho de 2009. A nota ainda cita decreto assinado por Serra “que revogava a relativa autonomia financeira e administrativa das Universidades estaduais paulistas”.

Os professores também criticam o salário – “sistematicamente achatados, mesmo com os recordes na arrecadação de impostos” – e o Secretário da Educação de São Paulo, Paulo Renato, que, quando ministro do governo FHC, “sucateou” as universidades públicas federais “ao ponto em que faltou dinheiro até mesmo para pagar as contas de luz, como foi o caso na UFRJ.”

A nota se encerra numa comparação de Serra com o ex-presidente Fernando Collor de Mello. “A celebração bonapartista de sua pessoa, em detrimento das forças políticas, só encontra paralelo na campanha de 1989, de Fernando Collor.”

Deixe um comentário