Igreja teria recebido R$ 1,2 milhão para enterrar mafioso com papas

O enterro de um importante chefe mafioso, há 22 anos, tem trazido complicações para o Vaticano. Segundo novas informações, a Igreja teria recebido um bilhão de liras (mais de R$ 1,2 milhão), a antiga moeda italiana, como pagamento da viúva para enterrar o mafioso na basílica, ao lado de papas.

De acordo com uma fonte da Santa Sé, apesar de inicialmente ter relutado, o então vigário-geral de Roma, cardeal Ugo Poletti, cedeu à grande quantia e permitiu o sepultamento de Enrico De Pedis, chefe do grupo Banda da Magliana, máfia da capital italiana. O dinheiro teria sido usado para a restauração da Basílica de São Apolinário, onde De Pedis foi enterrado após seu assassinato em 1990, ao lado de papas e cardeais. O Vaticano não comentou as informações.

Na semana passada, para combater as criticas à inexplicável presença do corpo de um criminoso em local considerado sagrado, o Vaticano decidiu retirar os restos mortais de De Pedis de sua cripta especial.

No início de abril, a pressão sobre o mistério do assassinato do mafioso aumentou após o procurador Giancarlo Capaldo afirmar que autoridades do Vaticano sabiam sobre as ligações do chefe da Magliana com a Santa Sé e sobre o suposto sequestro e assassinato de Emanuela Orlandi, filha de 15 anos de um funcionário do Vaticano, em 1983.

O sequestro e assassinato de Emanuela teriam sido planejados para calar o pai da menina, que teria provas que ligavam o Instituto para Obras de Religião – o Banco do Vaticano – ao crime organizado. O mafioso De Pedis teria sido o organizador dos crimes. Nos últimos 20 anos, houve especulações de que os restos mortais da jovem teriam sido colocados junto com os do criminoso. O irmão de Emanuela, Pietro Orlandi, é um dos que pedem pra que o túmulo seja aberto.

Em meio a sérias criticas após recentes escândalos, o Vaticano nega as acusações e pondera sobre a reabertura da cripta para que os rumores sejam aplacados. “Nada foi escondido e não há segredos a serem revelados”, afirmou Federico Lombardin, porta-voz do Vaticano.

Após a abertura do túmulo, os restos mortais de Enrico De Pedis, e supostamente os de Emanuela, serão transferidos para outro local ainda não definido. Caso não sejam encontrados indícios de sepultamento da jovem, o mistério sobre seu desaparecimento permanecerá. Outras teorias sobre o sumiço de Emanuela são cogitadas, como a que sugere que membros da Magliana a entregaram a extremistas turcos para servir de troca para a libertação de Mehmet Ali Agca, atirador turco que tentou matar o Papa João Paulo II em 1981.

Deixe um comentário

Um comentário para “Igreja teria recebido R$ 1,2 milhão para enterrar mafioso com papas”

  1. ? Helcio Gonçalves da Silva disse:

    da quod jubes et jubes quod vis ? si ne qua non ? que sera tammen ? SACANAGIUS EST
    at usque aprobatti populo pacientia nostra ?

    Q U O V A D I S D O M I N I

    TORNOU-SE EVIDENTE A INFIRLTRAÇÃO DO CRIME ORGANIZADO NO PODER PÚBLICO E AGORA SOMOS FORÇADO
    A ADMITIR QUE TORNOU-SE EVIDENTE A INFILTRAÇÃO DO CRIME ORGANIZADO NAS IGREJAS SEJAM ELAS QUAIS
    FOREM.

    PASTORES EVANGEKICOS ENVOLVIDOS COM DROGAS VENDA DE ARMAS MALAS CHEIA DE DINHEIRO
    PADE DA PAROQUIA DE BONITO MS PRESO E CONDENADO POR TRAFICO DE DROGAS E PASTORES EVANGELICOS
    COM OS INCERTOS E ILICITOS E ASSIM POR DIANTE.

    DE TANTO VER TRIUNFAR AS NULIDADES DE TANTO VER AGITAR-SE O PODER NAS MÃOS DOS MAUS O HOMEM CHEGA A DESANIMAR-SE DA VIRTUDE A RIR-SE DA HONRA AE A TER VERGONHA DE SER HONESTO.

    O CONSOLO É QUE ATÉ OS CANALHAS ENVELHECEM NÃO É MESMO ?

    AS ESCOLAS DEVEM INCESSANTEMENTE LEMBRAR RUI BARBOSA UM LEANDRO DAIELLO COIMBRA,
    LEMBRAR UMA HELEN GRAICE UMA ELIANA CALMON ALVES UM JOAQUIM BARBOSA
    UM GILSON DIPP E ENSINAR MUITO O QUE HONRA CARATER DIGNIDADE E HONESTIDADE

    HELCIO GONÇALVES DA SILVA