Ideli diz “não vislumbrar” mudanças na estrutura do governo

Por Mario Coelho – congressoemfoco.com.br

A ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti, disse nesta quinta-feira (18) “não vislumbrar” uma reforma no governo Dilma Rousseff para diminuir o número de ministérios. A declaração, dada após a gravação do programa Bom dia, Ministro, da EBC, foi uma resposta à sugestão do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), de reduzir das atuais 39 pastas para 29.

“Eu não consigo vislumbrar nenhuma modificação na estrutura de governo feita pela presidente Dilma”, afirmou Ideli. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo e ao portal UOL, Henrique Alves sugeriu que Dilma converse mais com os congressistas para definir a reforma no início de agosto, quando deputados e senadores voltarão ao trabalho após o recesso de julho. A nomeação dos novos ministros seria em setembro.

Ideli disse ainda que quer avaliar melhor a proposta do PMDB de redução de ministérios. “Eu quero inclusive avaliar, eu quero perguntar melhor para o PMDB no que consiste esta proposta. Até porque eles ocupam seis ministérios. Eu vou perguntar, para o Henrique detalhar essa proposta”, afirmou.

LDO

Após o programa, Ideli disse que o governo se prepara para as votações no Congresso previstas para o segundo semestre. Deputados devem encerrar a análise da proposta que destina 75% dos royalties do petróleo para a educação e 25% para a saúde. Já o Congresso precisa analisar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Como a proposta não foi apreciada, Câmara e Senado entraram no chamado “recesso branco”.

“É uma pena que o Congresso não tenha aprovado [a LDO], como a Constituição estabelece, antes de tirar recesso”, disse, de acordo com a Agência Brasil. Segundo Ideli, o governo terá uma “certa defasagem” para elaborar a Lei Orçamentária Anual (LOA), que deve respeitar as metas e diretrizes previstas na LDO. A ministra listou como prioridades para o segundo semestre a finalização dos royalties e a Medida Provisória 621/13, a MP dos Médicos.

 

Mais sobre orçamento

Deixe um comentário