Guerra dos poderes!

Quem manda mais? Quem tem o direito? É o Supremo Tribunal Federal? É a Câmara dos Deputados com seus 513 membros?

Os inimigos do STF prometem combater até o último homem cair (Fonte: Reprodução)

É óbvio que a coisa não vai acabar bem. Mesmo que a bandeira da paz seja hasteada em algum momento isso não irá apagar a cicatriz deixada pelo corte que foi dado a partir do momento em que o deputado Nazareno Fonteles (PT) subiu à tribuna e fez duras críticas ao ministro Joaquim Barbosa durante o julgamento do mensalão, dizendo inclusive que esse julgamento era uma conspiração contra os petistas.

O corte foi aprofundado quando esse mesmo deputado criou um projeto que submete as decisões do STF ao Congresso. Para ele, o Judiciário vem interferindo em decisões do Legislativo, e isso não pode.

Mas se o Supremo é supremo até no nome, isso não poderia nem cair em discussão. Não se deveria contestar uma decisão vinda do topo. Caso contrário vai virar uma guerra sem fim. E aí, entrando ainda a questão do ego de cada um dos envolvidos, é briga para não mais acabar. Esquecem eles que precisamos que ambos os poderes andem de mãos dadas e com a visão do bem maior, cada um no seu quadrado, fazendo o que eles têm que fazer. Leis e Justiça.

Nada mais. Nada menos. Mas quando vemos quem está incitando a guerra podemos estar certos que são pessoas com medo e querendo tumulto. Simples assim. E isso fica mais transparente ainda quando nomes como os deputados José Genoino e João Paulo Cunha, ambos condenados pelo mensalão, declararam seu total apoio, sem falar na presença de Paulo Maluf, condenado por desvio de recursos públicos e que faz parte da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, responsável por aprovar essa delicada emenda constitucional.

Chega a ser triste assistir esse show de pessoas que estão na verdade preocupadas com seus “malfeitos” e com medo que o STF exerça sua função de julgar quem aparecer na pauta do dia.

É claro que eles NUNCA irão assumir esse medo. Irão, como já disse, dizer que tudo isso é a oposição querendo frear o Estado Democrático, os jornalistas querendo sujar a imagem de certo partido e de pessoas, enfim todo aquele blá, blá, blá já conhecido.

Eles são sempre as vitimas e nós seus algozes.

O que eles querem é que, em última instância, caso os deputados e senadores votem contra a decisão do STF, então que se submeta a questão à consulta popular. E aí já viu, né?

Tentou-se melhorar todo esse mal estar num encontro entre o ministro Gilmar Mendes, Renan Calheiros e Henrique Alves, presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, respectivamente. Mas não sei não…

Se depender dos petistas essa guerra está só começando.

Pelo menos é o que está parecendo e o que eles estão “falando”.

Inacrê!!

Pedro Paulo Neto, por medo de represálias, preferiu não mostrar sua cara e foi de máscara entregar seu apelo (Fonte: Reprodução)

Inacreditável. Mas sim, a questão do julgamento do mensalão foi parar na Organização dos Estados Americanos (OEA). O autor desse ato insano, em minha opinião, é o militante da Juventude do PT no Distrito Federal Pedro Paulo Henrichs Neto, que está contestando o STF por fazer um julgamento político. Ele defende o amplo direito de defesa dos réus e apelou para o Sistema Internacional de Direitos Humanos. Segundo ele, o STF não julgou os fatos e sim o Partido dos Trabalhadores. E não satisfeito, disse ainda que os acusados foram condenados com base em indícios, e que se negou o direito de defesa em instâncias inferiores aos réus sem foro especial. Disse também que as datas do julgamento foram previamente calculadas para coincidir com as eleições municipais, como se houvessem forças diabólicas conspirando contra essas “pobres vítimas” do acaso por serem do PT.

É patético, é ridículo.

Neto foi inclusive um dos organizadores do jantar do qual eu não fui convidado – magoei – para obter recursos destinados à defesa dos réus do mensalão. E lembrando que um dos condenados pelo mensalão, o ex-ministro José Dirceu, ameaçou levar o seu caso à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Essa gente faz, apronta, e depois quer justiça contra o que eles chamam de injustiça.

E se eu achar que com esses “malfeitos”, usando as próprias palavras da presidente Dilma, meus direitos humanos foram violados, eu escrevo então uma carta pro Obama?

Depois dizem que nós é que queremos tumultuar.

Isso não vai prestar!

Essa ideia, que já toma ares de pré-campanha presidencial, visando 2014, de lançar nova linha de financiamento para equipar moradias do Programa Minha Casa Minha Vida, me deixa tenso. Dizem por aí que o Tesouro vai bancar uma parte dos juros. Ou seja, mais despesa para um governo que não tem dinheiro pra dar um jeito na Educação e na Saúde. O crédito de até R$ 5 mil a juros de pai para filho, podendo ser quitado em até cinco anos, vai com certeza impulsionar mais ainda a campanha de Dilma e do PT. Isso é uma jogada de mestre, tenho que admitir, além de se preocupar em querer colocar pisos de cerâmica, Dilma quer agora ajudar na mobília. É o verdadeiro barba, cabelo e bigode. Mas eles avisam que os críticos podem ficar descansados porque eles pensam em colocar um tipo de trava para que se evite que eles comprem com esse crédito financiado a sua tão sonhada TV de última geração. Isso não. Mas o piso vai continuar sendo de cerâmica a partir de agora.

Outra coisa que não vai prestar, em minha opinião, é ver parlamentares que usam comunidades terapêuticas como passaporte para uma reeleição terem a possibilidade agora de se beneficiar com as iniciativas do governo federal de financiar essas comunidades com o valor já previsto de R$ 130 milhões oferecido pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), mais R$ 100 milhões do Ministério da Saúde. A ordem é liberar com  rapidez o dinheiro, como parte do programa “Crack, é possível vencer”, que foi lançado pela presidente Dilma no fim de 2011.

Acho fundamental termos um programa sério de ajuda aos dependentes químicos, mas feito de forma diferente. Não é através de ações de limpeza das ruas que vamos acabar com o problema das drogas e do crack, principalmente. Vamos começar a ter resultados quando entendermos que os profissionais que lidam com o problema precisam de apoio, meios e salários decentes. Deixar esse dinheiro correr solto não vai prestar, até porque sabemos que dinheiro fácil na mão de ratos vira queijos e vinho.

Salvem as baleias. Não joguem lixo no chão. Não fumem em ambiente fechado.

Deixe um comentário

Um comentário para “Guerra dos poderes!”

  1. ? Abrahão Marcos Flor da Silva disse:

    Tal comportamento claramente deixa a entender que querendo se livrar do STF porque são devedores a sociedade, tem conduta pública e pessoal que deixa a desejar, estão longe de servirem como exemplos dignos de serem seguidos e desejam continuar a cometer seus crimes na vida pública e privada.