Fluxo cambial de julho foi o segundo maior da série histórica

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O saldo da entrada e saída de dólares do país, o chamado fluxo cambial, ficou positivo em US$ 15,825 bilhões em julho, segundo dados divulgados hoje (3) pelo Banco Central (BC). No mesmo mês do ano passado, o resultado também foi positivo, porém, bem menor: US$ 712 milhões.

O saldo de julho foi o maior registrado este ano e o segundo mais elevado da série histórica do BC, iniciada em 1982. A forte entrada de dólares no mês passado só ficou abaixo do resultado de junho de 2007, quando foram registrados ingressos líquidos (descontadas as saídas) de US$ 16,561 bilhões.

No dia 27 de julho, quando o governo anunciou medidas para conter a queda do dólar e dificultar a especulação no mercado de câmbio, houve ingresso de US$ 3,692 bilhões. Somente no segmento financeiro (registro de investimentos em títulos, ações, remessas de lucros e dividendos ao exterior, entre outras operações), entraram no país US$ 2,309 bilhões.

Em todo o mês passado, o fluxo financeiro ficou positivo em US$ 9,571 bilhões. O segmento comercial (operações relacionadas a exportações e importações) fechou positivo em US$ 6,253 bilhões.

De janeiro a julho, o fluxo cambial se mantém positivo em US$ 55,658 bilhões, contra US$ 4,075 bilhões registrados em igual período do ano passado. Nos sete meses do ano, o fluxo financeiro está positivo em US$ 33,211 bilhões e o comercial, em US$ 22,447 bilhões.

Os dados divulgados hoje também mostram que as compras de dólares pelo BC no mercado à vista elevaram as reservas internacionais em US$ 6,637 bilhões, no mês passado.

As instituições financeiras encerraram o mês com posição vendida de câmbio em US$ 6,302 bilhões, resultado bem menor que o de junho, quando foram registrados US$ 14,696 bilhões. A posição vendida indica a aposta dos bancos na queda do dólar. A redução na posição vendida ocorreu porque o BC decidiu recolher o depósito compulsório sobre a posição vendida de câmbio. Esse tipo de depósito compulsório, recursos que os bancos são obrigados a depositar no BC, é recolhido em espécie e não é remunerado.

A primeira vez que o BC fez esse recolhimento foi no dia 5 de julho, quando o saldo desse tipo de depósito compulsório ficou em R$ 55 milhões. No dia 20 de julho, o saldo do recolhimento caiu para R$ 5 milhões. Nos dias seguintes do mês, não houve mais saldo de recolhimento compulsório.

O recolhimento compulsório é 60% do valor da posição vendida de câmbio que exceder US$ 1 bilhão ou o montante equivalente ao patrimônio da instituição financeira. O valor do recolhimento é feito com base no cálculo da média móvel dos últimos cinco dias.

Edição: Vinicius Doria

 

Deixe um comentário