Empresas de cigarros visam mulheres

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

A Organização Mundial de Saúde denunciou nesta sexta-feira, 28, as empresas fabricantes de cigarros por tentarem incentivar mulheres a fumar e pessoas com idades cada vez mais avançadas a aderir ao hábito, tudo mediante “estratégias agressivas” de publicidade e marketing.

A denúncia é parte das ações por ocasião do Dia Mundial Sem Tabaco, a ser comemorado neste domingo, 30. Segundo o diretor da “Iniciativa Livre de Tabaco”, Douglas Bettcher, o alvo das “estratégias predatórias” das empresas de tabaco para “manter seu motor de rentabilidade” são os países em desenvolvimento.

Um bilhão de fumantes

Apenas 9% das mulheres de todo o mundo são fumantes. Entre os homens, índice é de 40%. Entre um bilhão de pessoas que fumam no mundo, cerca de 200 milhões são mulheres. Esta diferença vem sendo encarada pelo setor tabagista como uma grande oportunidade para expandir seu mercado.

Bettcher diz que principalmente a Philip Morris e a British American Tobacco têm uma clara estratégia para conquistar o mercado feminino na América Latina, e no Chile, Colômbia, México, Uruguai, Argentina e Brasil já há mais meninas do que meninos fumando. A OMS estima que oito milhões de pessoas vão morrer por causa do cigarro em 2030.

Em nossa opinião…

É imoral essas empresas continuarem tentando viciar as pessoas com seus produtos venenosos. Só não somos a favor da proibição do cigarro porque a proibição do álcool nos EUA já provou que isso é contraprodutivo. A proibição traria o tráfico ilegal. Mas a propaganda de qualquer espécie, direta ou indireta, poderia ser proibida, bem como o lançamento de novas marcas, qualquer iniciativa de marketing.

A sociedade deveria boicotar as empresas de tabaco. Nos Estados Unidos, existem fanáticos que promovem ataques a clínicas de aborto. Na Inglaterra, grupos atacam empresas que praticam experimentos com animais. Não seria mais importante ir contra as empresas de tabaco?

Nas escolas, é preciso conscientizar as crianças contra o fumo. Afinal de contas, não é aceitável que existam grandes empresas, cotadas em bolsa, com enormes lucros, que vivem de vender câncer. Repetimos: proibir não dá certo, porque cria o tráfico ilegal, mas pressionar para lentamente reduzir a produção, isto sim deveria gerar resultados.

Deixe um comentário