Brasil  

Empreiteiras terão que explicar à Justiça e à Polícia Federal depósitos a Youssef

.
timthA Polícia Federal e a Justiça Federal no Paraná pedem explicações a empreiteiras por depósitos milionários a empresas do doleiro Alberto Youssef. Foram listadas pelo juiz Sérgio Moro 12 empresas que fizeram transferências bancárias. Há “indícios veementes” de que as empresas do doleiro, suspeito de operar esquema de desvio de contratos da Petrobras para pagar propina a partidos, eram fantasmas e seriam usadas para lavagem de dinheiro, por meio de notas fiscais fraudadas.

A Polícia Federal apura a origem, a natureza e a  finalidade das transferências bancárias das construtoras, que terão que justificar os depósitos com documentos. As empresas terão cinco dias para responder à Justiça. O maior montante foi depositado pela empresa Piemonte Empreendimentos na conta da GFD Investimentos, cerca de R$ 8,5 milhões. Outras que depositaram na conta dela foram: Treviso Empreendimentos (R$ 4,4 milhões), Mendes Jr. Trading e Engenharia e Consórcio Mendes Júnior MPE SE (R$ 5,5 milhões).

Ainda a MO Consultoria recebeu depósitos de: Investminas (R$ 4,3 milhões), Engenvix (R$ 3,2 milhões), Jaraguá Equipamentos Industriais (R$ 1,9 milhão), Galvão Engenharia (R$ 1,5 milhão), Construtora OAS e OAS Engenharia (R$ 1,1 milhão), Coesa Engenharia (R$ 435,5 mil) e Consórcio SEHAB (R$ 431,7 mil).

O esquema descrito pelos depoimentos de Youssef e Costa

O esquema envolvia 13 empresas, como Odebrecht, Camargo Côrrea, OAS, Mendes Júnior, Queiroz Galvão e Andrade Gutierrez, que combinavam preços, a fim de garantir contratos com a Petrobras. Destes contratos 3% eram propina para partidos, como PT, PP e PMDB. Eles indicavam a diretoria da Petrobras e dividiam o dinheiro.

Segundo o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, o dinheiro chegou a ser usado na campanha de 2010. O tesoureiro do PT João Vaccari Neto seria o operador da cobrança da propina. As empresas citadas no escândalo ou negaram as acusações ou preferira não se pronunciar sobre o assunto.

Deixe um comentário