Em resposta a Renan Calheiros, procurador-geral diz que investiga “fatos”

.

Caso seja reconduzido ao cargo pela presidenta Dilma, o procurador-geral da República terá nome submetido ao Senado

Caso seja reconduzido ao cargo pela presidenta Dilma, o procurador-geral da República terá nome submetido ao Senado

Da Agência Brasil – O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse hoje (20) que investiga “fatos, jamais instituições”. Em nota à imprensa, Janot afirmou que o Ministério Público sempre buscou o diálogo com as instituições, passando pelo funcionamento de um “Senado Federal altivo e de pé”. A manifestação do procurador foi divulgada após críticas do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e de senadores atingidos pelas diligências da Operação Politeia, da Polícia Federal, deflagrada na semana passada.

A operação é um desmembramento da Operação Lava Jato e investiga a suposta participação de parlamentares no recebimento de propina.

Na nota, Janot disse que a relação entre o Ministério Público e as instituições sempre será de harmonia e respeito. “Como é de conhecimento público, a Constituição Federal atribui ao procurador-geral da República, sob supervisão do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça, a condução de investigações de forma sóbria e responsável em relação às altas autoridades da República, sejam elas do próprio Ministério Público ou dos Poderes Legislativo, Judiciário ou Executivo”, afirmou.

O mandato de Janot no cargo de procurador-geral termina no dia 17 de setembro, mas ele pode ser reconduzido pela presidenta Dilma Rousseff por mais dois anos. No entanto, ele precisará ser aprovado pela Comissão de Constituição de Justiça (CCJ) do Senado e pelo plenário da Casa, em votação secreta. Além disso, Janot disputará uma eleição interna na Procuradoria Geral da República.

Deixe um comentário