Brasil  

Eduardo Paes autoriza demolição do antigo Museu do Índio

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, autorizou nesta segunda-feira, 14, a demolição do prédio que abrigava o antigo Museu do Índio. A construção fica ao lado do estádio do Maracanã e se tornou o centro de uma disputa entre o estado e representantes indígenas que ocupam o prédio.

Erguido no século XIX, o prédio foi sede do Serviço de Proteção ao Índio. Com o passar dos anos, a construção ficou abandonada e foi ocupada por indígenas que reivindicam a posse do imóvel para transformá-lo em um centro cultural.

O governo estadual pretende derrubar o prédio para realizar obras que viabilizem a mobilidade no entorno do estádio. Segundo o prefeito e o governador Sérgio Cabral, as obras são essenciais para que o estádio atenda às necessidades exigidas pela Fifa para a Copa do Mundo de 2014.

A autorização de demolição atende a um pedido da Emop (Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro), que já realizou uma licitação para contratar a empreiteira que realizará o serviço. A empresa Compec Construções e Locações receberá cerca de de R$ 586 mil para demolir o prédio em 30 dias.

Os indígenas buscam na Justiça o direito de manter o prédio e utilizá-lo. Eles avisaram que não pretendem deixar o local e estão mobilizados contra qualquer tentativa do governo de retomar o prédio. A Defensoria Pública está movendo uma ação para impedir a demolição e entregar a posse do imóvel aos indígenas.

Em 2012 a Defensoria conseguiu uma liminar favorável ao seu pedido. Porém, esta liminar foi cassada e o Ministério Público Federal vai recorrer. De acordo com a Defensoria, o antigo museu tem valor histórico e cultural. Por isso, ele não pode ser derrubado.

Nesta terça-feira, 15, agentes da tropa de choque da Polícia Militar cercaram o imóvel aguardando a ordem de reintegração de posse para retirar os indígenas do local.

Em nota, a prefeitura justificou a autorização de demolição do imóvel: “A respeito da demolição do Museu do Índio, a Prefeitura do Rio esclarece que busca conciliar os diversos interesses públicos em questão, priorizando o desenvolvimento urbano sustentável, a melhoria do fluxo de pessoas e a requalificação urbanística do entorno do Estádio do Maracanã, palco da final da Copa do Mundo de 2014. Desta forma, o município deferiu o recurso do Governo do estado contra o parecer emitido pelo Conselho Municipal de Proteção do Patrimônio, que se manifestou contrário à demolição”.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Deixe um comentário