Brasil  

Economist exalta crescimento do Rio de Janeiro

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

“Polícia decente, governo melhor e uma economia forte estão começando a fazer a diferença no estado mais violento do Brasil.” Assim se expressou a revista inglesa Economist ao definir o Rio de Janeiro. Destacando o trabalho do secretário de segurança José Mariano Beltrame, a publicação exaltou a atividade que as Unidades de Polícia Pacificadoras têm feito nas favelas cariocas desde 2008.

O trabalho das UPPs foi definido como parte de uma ambiciosa estratégia do governo de restaurar a lei e a ordem. Segundo a revista, o objetivo da polícia não é só acabar com o tráfico de drogas, mas remover as facções armadas das ruas e abrir caminho para outras ações do Estado. Economist faz referência ao filme “Cidade de Deus”, o que teria tornado o estado conhecido, e mostra que as autoridades estão tentando consolidar a segurança com legalidade e infraestrutura. De acordo com eles, a favela Cidade de Deus ganhou sua primeira clínica em 31 de maio e está prestes a ganhar um restaurante subsidiado pelo governo. Além disso, a violência também é revelada como algo que está diminuindo e se tornando mais do que uma promessa.

Os planos de Beltrame sao ainda maiores. Segundo a revista, ele quer instalar 40 UPPs nos próximos quatro anos, dando segurança a 500 mil pessoas. Depois disso, a esperança é de que os homicídios cheguem a números similares ao estado de São Paulo, que reformou a polícia nos anos 1990.

“Se Beltrame tem grande chance de atingir essas metas é porque o Rio está passando por um momento mágico no qual tudo conspira a seu favor”, diz André Urani, economista que estuda a cidade. Além disso, a economia também cresce fortemente, criando empregos, diz a revista. Além de ser o reduto do petróleo, o Rio é caracterizado por atrair outras indústrias de maneira crescente. A união entre o prefeito Eduardo Paes, o governador Sérgio Cabral e o presidente Lula é outro fator que a revista considera preponderante para o dinheiro estar circulando na cidade.

No entanto, como mostra o gráfico, a cidade ainda tem um longo caminho pela frente, sendo a que tem mais assassinatos entre Nova Iorque e São Paulo.

O crescimento da economia trará boas consequências para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016, de acordo com Economist, que conclui dizendo que uma cidade mais segura tem mais chances de se tornar menos dividida socialmente.

Deixe um comentário