Brasil  

Dono da construtora Delta deixa o comando da empresa

O proprietário da Delta – empresa que está no Centro das investigações que apuram denúncias de uma rede de corrupção – Fernando Cavendish, vai se afastar da chefia da empresa. Além dele, o diretor Carlos Pacheco também deixará o cargo. O afastamento será anunciado nesta quarta-feira, 25, em Brasília, por meio de uma carta da empresa à Controladoria Geral da União (CGU). O comunicado anuncia também uma auditoria na empresa por meio de uma companhia independente. O comando da construtora será assumido por Carlos Alberto Verdini.

Leia também: PF plantou escuta na sala de Cavendish
Leia também: Delta tem contratos sem licitação com a Cedae

As denúncias que envolvem a empresa são de possíveis doações eleitorais repassadas pelo contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Pressionada pelas suspeitas, a Delta abandonou grandes obras, como a reforma do Maracanã, a construção da TransCarioca e do pólo petroquímico de Comperj. A empresa tenta agora evitar que outros projetos sejam afetados.

Na terça-feira, 24, a CGU abriu processo para investigar irregularidades da construtora em nove estados. Caso seja condenada, a Delta poderá ficar suspensa do serviço público de um mês até dois anos, ou ser banida, o que significa estar fora de licitações por no mínimo dois anos.

A Delta é a maior construtora com atividades no PAC. A empresa já recebeu R$ 3 bilhões, dos R$ 4,3 bilhões que conseguiu através de contratos com o governo nos últimos anos.

Prisão

O ex-diretor da Delta, Cláudio Abreu, foi preso nesta quarta-feira, 25, em Goiânia. A prisão foi feita pela Policia Civil e faz parte da Operação Saint-Michel. Além de Abreu, foi decretada também a prisão de um diretor da construtora em São Paulo, e de um servidor da Secretaria de Planejamento do Distrito Federal.

Segundo investigações, esse servidor teria recebido propina para ajudar a entrada de Carlinhos Cachoeira na concessão do serviço de bilhetes eletrônicos dos ônibus do Distrito Federal. A operação Saint-Michel foi deflagrada pelo Ministério Público e pela Polícia Civil do Distrito Federal, e é um desdobramento para acabar com a quadrilha que explorava máquinas caça-níqueis em Goiás.

Fonte: opiniaoenoticia.com.br

Deixe um comentário