Dilma sai dos bastidores e articula campanhas municipais

Brasília – Virou quase um mantra de interlocutores da presidente Dilma Rousseff a frase de que ela não se envolverá diretamente na campanha municipal de outubro, pelo menos até o segundo turno. A realidade, no entanto, tem sido bem diferente. Tanto nos bastidores quanto abertamente, ela se movimenta para privilegiar aliados e interesses do PT nas eleições.

Além de manter conversas com dirigentes de partidos da base como PMDB e PSB, Dilma inaugurou obras em cidades chaves, como São Bernardo do Campo (SP) e Rio de Janeiro. A campanha não declarada de Dilma tem dado resultados e já conseguiu reverter, por exemplo, o impasse que o PT enfrentava em Belo Horizonte.

A preocupação em não parecer estar fazendo campanha fez com que Dilma convocasse os ministros do Planalto e pedisse que orientassem todos os funcionários a serem cautelosos com e-mails, santinhos, qualquer manifestação que pudesse parecer militância durante o expediente. Até os ministros, que foram liberados para fazer campanha em suas regiões de interesse, só terão autorização em horário fora do trabalho.

Todo esse cuidado se deve à situação delicada de alianças com siglas importantes para a base do governo que, no âmbito municipal, não conseguiram chegar a um consenso com o PT. PMDB e PSB já brigam para garantir a vaga de parceiro preferencial em 2014 e o medo da presidente é, caso não haja acordo, que a situação de agora se repita nas eleições majoritárias e os partidos decidam lançar candidaturas próprias.

Apesar de ter afirmado na última segunda feira, após jantar no Palácio do Alvorada, que trabalha para a reeleição de Dilma, Eduardo Campos não descarta pleitear o cargo máximo do Executivo. Como a posição das peças do tabuleiro e poder de barganha dependem do resultado das urnas em outubro, Dilma mantém o discurso de que estará fora da briga até o segundo turno.

Capitais

Na prática, entretanto, a presidente tem interferido nos municípios mais estratégicos e tentado agradar aos aliados. Ela tem acompanhado em especial a situação de São Paulo e de Belo Horizonte. As duas cidades estão nas mãos de políticos não alinhados com o Planalto. Embora foque nos belo-horizontinos e paulistanos, ela não se esqueceu de outras cidades.

O primeiro ato em favor de um candidato do PT foi a despedida do ex-ministro da Educação Fernando Haddad da pasta que comandava. A solenidade, no Salão Nobre do Palácio do Planalto, contou com a participação do ex-presidente Lula da Silva e de todos os ministros da Esplanada – exigência da própria Dilma. Foi a primeira vez que Lula pisou no Palácio do Planalto desde que havia começado o tratamento contra o câncer na laringe. Na data da cerimônia, fez as sessões de radioterapia antes de vir a Brasília e voltou no mesmo dia para prosseguir o tratamento, tudo para prestigiar Haddad.

Em seu discurso, a presidente esqueceu das cobranças que fez a Haddad pelas falhas do Enem e elogiou o então pré-candidato. “Nenhum de nós pode ficar onde está, tem de ir além do seu momento. Então, cumprimento Fernando Haddad, fico feliz por ele e, ao mesmo tempo, fico infeliz porque se trata de um excepcional gestor público, de um grande educador e, além disso, de um amigo querido”, fez questão de destacar.

O apoio não parou aí. Dilma ofereceu o Ministério da Pesca a Marcelo Crivella (PRB), partido de Celso Russomano, que, à época, liderava as pesquisas à capital paulistana. Recentemente, ela visitou uma exposição em São Paulo ao lado do ex-ministro e de Lula.

Obras Outro artifício utilizado por Dilma foi a inauguração de obras em municípios aliados. Nos últimos dois dias permitidos pela legislação eleitoral, a presidente correu para inaugurar obras em São Bernardo do Campo (SP), comandada pelo petista Luiz Marinho, e no Rio de Janeiro, do aliado peemedebista Eduardo Paes. Marinho é tido como uma possibilidade para o governo de São Paulo em 2014.

Em Belo Horizonte, Dilma liberou verbas para o projeto executivo do Anel Rodoviário. Na capital mineira, a interferência da presidente foi mais dura e contou com um pedido pessoal ao vice Michel Temer para que fosse retirada a candidatura do deputado federal Leonardo Quintão. No lugar, o partido indicou Aloísio Vasconcelos, ex-presidente da Eletrobrás, para vice na chapa com o ex-ministro Patrus Ananias (PT).

Os últimos movimentos da presidente foram os dois jantares, um na segunda-feira com Eduardo Campos e Cid Gomes, do PSB, e outro na terça-feira, com petistas, na residência oficial do presidente da Câmara, Marco Maia. Nos dois encontros, Dilma reforçou que não quer disputas municipais prejudicando alianças nacionais.

CAMPANHA NÃO DECLARADA

Apesar de afirmar por meio de interlocutores de que não participará de campanha, a presidente tem se movimentado para garantir seus interesses e os do PT.

Despedida de Haddad

O evento no Palácio do Planalto em que o candidato à Prefeitura de São Paulo deixou o Ministério da Educação contou com a participação de Lula e com um discurso de Dilma recheado de elogios.

Ministério para o PRB

Também na tentativa de favorecer Haddad, Dilma nomeou Marcelo Crivella (PRB) ministro da Pesca. Seu correligionário Celso Russomano era apontado como o primeiro nas pesquisas em São Paulo.

Inauguração de obras

Enquanto as conversas ainda não eram definitivas, Dilma esteve inaugurando obras no Recife e em Fortaleza, tentando criar consenso entre PT e PSB locais.

A presidente também inaugurou obras em cidades comandadas por aliados candidatos à reeleição para prestigiá-los, como São Bernardo do Campo e Rio de Janeiro.

Articulação

Nos bastidores, Dilma tem mantido conversas com aliados para costurar apoios e alianças. Semana passada, recebeu no Alvorada o presidente do PSB, Eduardo Campos.

Enquanto isso…

…REGRAS PARA MINISTROS

Os ministros da Esplanada receberam sinal positivo da presidente Dilma Rousseff para fazer campanha em seus estados, desde que fora do horário de expediente.

No mesmo estilo de campanha velada, sem pedir votos diretamente, alguns ministros também aproveitaram inaugurações de obras para se projetar e aparecerem junto de aliados. O único que fez campanha abertamente até agora foi o ministro do Trabalho e Emprego, Brizola Neto, na última segunda-feira.

Em São Paulo para participar do Congresso Nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Brizola Neto defendeu a candidatura do deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT), o Paulinho da Força, à prefeitura da cidade. Outros ministros aproveitaram a agenda de inaugurações para se cacifar nas eleições.

Caso do titular da Saúde, Alexandre Padilha, de olho em uma possível candidatura ao governo de São Paulo em 2014, ele acompanhou a presidente Dilma nas duas últimas inaugurações de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em São Bernardo do Campo (SP) e no Rio de Janeiro.

Fonte: votebrasil.com

Deixe um comentário