Desvio na Petrobras financiou campanha do PT, PP e PMDB, diz ex-diretor

.
paulorobertocostageraldomagelaagsenadoDez dias depois de deixar Curitiba, onde estava preso na sede da Polícia Federal, o ex-diretor de Abastecimento e Refino da Petrobras Paulo Roberto Costa voltou à cidade para prestar seu primeiro depoimento da delação premiada após ter começado a cumprir pena em regime domiciliar. Nesta quarta-feira, o ex diretor confirmou ter pago propinas a três grandes partidos: PT, PP e PMDB, para financiar a campanha eleitoral de 2010 para parlamentares dessas legendas.

Durante duas horas de depoimento, ele afirmou que chegou ao posto com o objetivo de montar um esquema de propina para políticos. Costa contou, segundo o jornal O Estado de S.Paulo, ter realizado pagamentos divididos aos partidos “na proporção de 1% para um e 2% para outro”, nos contratos superfaturados de empreiteiras e fornecedores com a Petrobras. Além de políticos, noticia o jornal, Paulo Roberto Costa também citou ex-colegas como o presidente da Transpetro, Sérgio Machado e o ex-diretor internacional da Petrobras, Nestor Cerveró.

O doleiro Alberto Yousseff também prestou depoimento nesta quarta-feira como parte do acordo de delação premiada. De acordo com seu advogado, o criminalista Figueiredo Basto, ele afirmou aos agentes que o esquema envolvia diversos grupos de setores variados da Petrobras. “Havia um esquema de grupos atuando na Petrobras, cada um com seus interesses, cada um com seu operador”, disse o advogado ao jornal.

OAS

Após a Odebretch e a Camargo Corrêa serem citadas como duas empresas que mantinham relações com o esquema operado por Paulo Roberto Costa e Alberto Yousseff, a empreiteira OAS também foi identificada pela Polícia Federal no esquema com repasses que chegam a US$ 4,8 milhões depositados na conta bancária da offshore Santa Thereza Services Ltd, na Suíça. A empresa era controlado por Paulo Roberto Costa. O Estado de S. Paulo mostra que os depósitos – divididos em três créditos no valor de US$ 1,6 milhão cada – foram realizados nos dias 7 de maio, 11 de junho e 17 de julho de 2013. O Ministério Público Federal e a PF localizaram documentos sobre as transferências durante busca no escritório e na residências do executivo João Procópio de Almeida Prado, apontado como operador do doleiro Alberto Yousseff.

 

Fonte: Bruna Serra – Congresso em Foco

Deixe um comentário